terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Redação Discursiva - Entendendo comandos

Muitas pessoas têm solicitado definições para "Questões Discursivas" mas não há uma fórmula certa, pois na produção de questões discursivas é fundamental que a construção se dê atendendo ao conjunto de informações solicitadas no enunciado – o problema – e de acordo com o verbochave – o comando – que define qual é o tipo de resposta que a banca examinadora espera do candidato.
É muito comum nas provas discursivas de História que os candidatos não respeitem as abrangências de cada questão em particular e construam suas respostas desrespeitando àquilo que lhe é requisitado por ela.
Tanto informações limitadas quanto em excesso podem prejudicar o candidato. Assim, o vestibulando deve fornecer a maior quantidade de informação possível dentro do limite imposto pela questão.
Veja algumas dicas:

�� NUNCA ESCREVA UMA DISCURSIVA EM TÓPICOS; FAÇA TEXTOS CORRIDOS COMO NUMA DISSERTAÇÃO;
�� NÃO ABREVIE OU UTILIZE GÍRIAS E VÍCIOS LINGÜÍSTICOS, COMO PRA, VC, POR EXEMPLO;
�� DÊ PREFERÊNCIA POR ESCREVER COM LETRA CURSIVA; QUANTO MAIS LEGÍVEL E LIMPO FOR SEU TEXTO MAIS PONTOS VOCÊ GANHA JUNTO À BANCA;
�� NÃO ESCREVA EM PRIMEIRA PESSOA, DEIXE, QUANDO NECESSÁRIO, SUA OPINIÃO
SUBTENDIDA NO CORPO TEXTUAL;
�� PROCURE ESCREVER COM CLAREZA E COESÃO SUA RESPOSTA, ERROS GRAMÁTICAIS DESCONTAM PONTOS VALIOSOS DE SUA PROVA;
�� DÊ O MAIOR NÚMERO DE INFORMAÇÕES POSSÍVEIS, MAS MUITO CUIDADO, RESPEITE OS LIMITES IMPOSTOS PELA QUESTÃO E SEMPRE PRIORIZE AS INFORMAÇÕES MAIS FUNDAMENTAIS E IMPORTANTES;
�� E NÃO SE ESQUEÇA: SÓ A PRÁTICA LEVA A PERFEIÇÃO! ESCREVER DIARIMENTE É DE SUMA IMPORTÂNCIA PARA QUEM PRESTA DISCURSIVA NA ÁREA DE HUMANAS.

Exemplo:

Tema: Explique qual era a formulação cultural que mantinha o trabalho servil tão estável na
Idade Média.

CONSTRUÇÃO DA RESPOSTA: para construirmos a resposta o primeiro passo é grifar o comando da questão. Após identifica-lo temos de perceber que problema a questão nos pede para resolver. Isso é um trabalho ora simples, ora complicado. Neste exemplo, o problema não está nítido, mas, interpretando o texto, com o auxílio de seus conhecimentos históricos, é possível verificar que o problema é resolver por que razão cultural os servos não se revoltaram contra o trabalho servil imposto pelos senhores feudais na Idade Média? Percebam que a questão define que recorte temático o candidato terá de enfocar dentro da matéria estudada. Assim não cabe ao vestibulando falar sobre qualquer coisa referente à Idade Média, fugir ao recorte temático, ao problema, mesmo dando informações a mais, é prejudicial ao aluno. Este deve demonstrar o maior conhecimento possível dentro das limitações impostas pela questão. Quando já sabemos qual é o comando e qual é o recorte, podemos iniciar a montagem da questão. O verbo explicar exige um aprofundamento muito grande e detalhado do recorte temático e, não é possível explicar algo sem explicar as origens. Assim, sempre que o comando for explicar a questão deverá seguir o seguinte molde:
�� 1° Período – APRESENTAR O CONTEXTO HISTÓRICO;
�� 2° Período – RESOLVER e/ou DISCUTIR O PROBLEMA QUE A QUESTÃO IMPÕE;
�� 3° Período – CONCLUIR APRESENTANDO AS CONSEQÜÊNCIAS E REPERCUSSÕES.

Atentar para os comandos é essencial para produzir um bom texto.Observe:

A competência para resolver questões discursivas exige do aluno a habilidade para tomar decisões diante das situações-problema propostas. A tomada de decisão refere-se ao julgamento ou interpretação, a partir de um conjunto de indicadores ou fatores presentes em uma determinada situação que implicam uma decisão (resolução da situação-problema).

Para analisar as competências, é possível identificá-las por meio da ação proposta, expressa por verbos, tais como: caracterizar, descrever, destacar, identificar, reconhecer, selecionar, situar e muitos outros. Ler o tema com atenção é essencial,pois alguns pedem para você "caracterizar",outros "analisar", "identificar" e,para isso vc precisa entender esses comandos,portanto atente para o significado de algumas destas ações propostas:

Caracterizar – Segundo o dicionário, caracterizar é “determinar o caráter de; assinalar, distinguir, indicar; descrever, notando as propriedades características; retratar, delinear ou representar um caráter”.

Descrever – Descrever, segundo o dicionário, é “fazer a descrição de; representar por meio de palavras; contar, expor minuciosamente; percorrer; traçar”.

Destacar – Destacar entre outros significados que o dicionário apresenta, é “separar (-se);/articular escandindo;/dar vulto ou relevo a;/por em destaque; fazer sobressair; salientar;/separar-se;/distinguir-se, sobrelevar, sobressair”.
Destacar é uma forma de abstração, ou seja, implica a identificação ou reconhecimento, em dado contexto ou domínio da experiência, dos elementos ou termos (relacionados a uma meta, objetivo ou referência), projetando-os e organizando-os em outro plano. Em um item, o que deve ser destacado no enunciado? Como aproveitar o que foi destacado como indicador ou indicadores para a tomada de decisão sobre a resposta correta?

Identificar – Segundo o dicionário, identificar quer dizer “tornar ou declarar idêntico; considerar duas coisas como idênticas, dando a uma o caráter da outra;/achar, estabelecer a identidade de;/tornar-se idêntico a outrem, assimilando-lhe as idéias e os sentimentos;/conformar-se, ajustar-se”.
É uma competência que implica tomar decisões, interpretar, no conjunto de possibilidades de expressão de uma dada coisa, tudo que emparelha, representa, ilustra, encaixa-se no termo que serve de referência.

Reconhecer – Segundo o dicionário, reconhecer é “conhecer de novo (o que se tinha conhecido noutro tempo);/conhecer a própria imagem, em fotografia ou no espelho;/identificar, distinguir por qualquer circunstância, modalidade ou faceta;/admitir, ter como bom, legítimo ou verdadeiro;/ficar convencido de; estar certo ou consciente de;/considerar como;/afirmar, declarar, confessar;/considerar como legal;/autenticar, endossar;/aceitar, dar gratificação ou recompensa a;mostrar-se agradecido por;/examinar, explorar; observar;/examinar a forma, o acesso, as condições de (uma posição)”.

Selecionar – Segundo o dicionário, selecionar é “fazer a seleção de; escolher de um número ou grupo, pela aptidão, qualidade ou qualquer outra característica;/encontrar e recuperar informação específica de uma base de dados;/num programa de pintura, definir uma área numa imagem, geralmente para que seja cortada ou receba um efeito especial”.
Tal como o reconhecer é um caso especial do identificar, selecionar é um caso especial do destacar. Ambos implicam um recurso à lógica das classes, no sentido de destacar ou selecionar supõe analisar um aspecto e julgar se pertence ou é pertinente ao que está sendo tomado como critério ou referência, ou seja, como base para a tomada de decisão.

Situar – Segundo o dicionário, situar é “colocar,por (no espaço ou no tempo); assentar, construir, edificar; designar lugar certo a; colocar-se”.

Analisar – Segundo o dicionário, analisar significa: “fazer a análise de ... .” Análise: operação intelectual que consiste em decompor um texto em seus elementos essenciais, para apreender suas relações e dar um esquema de conjunto ou ato de decompor uma mistura para separar seus constituintes.
Muitas provas propõem situações-problema em que analisar é uma tarefa fundamental para tomada de decisão. Essa análise, conforme o caso, se expressa como interpretação, outras vezes como discriminação ou reconhecimento de valores, ou, então como previsão ou proposição de formas de intervenção etc. Trata-se sempre de diferenciar algo em um contexto, integrando-o em outro, pois a análise possibilita a realização de julgamentos, base de inferências ou conclusões sobre o que esta sendo analisado.

Comparar – Segundo o dicionário, comparar consiste em “examinar simultaneamente duas ou mais coisas, para lhes determinar semelhança, diferença ou relação; confrontar;/cotejar;/ter como igual ou como semelhante”.

Relacionar – Segundo o dicionário, relacionar significa “fazer ou fornecer a relação de; arrolar, por em lista;/narrar, expor, descrever, referir;/comparar (coisas diferentes) para deduzir leis ou analogias;/fazer relações, conseguir amizades, travar conhecimento”.
O processo de relacionar exige ordenar, organizar e contextuar dados ou fatos que dê logicidade ao texto.

Contextualizar – Contextualizar ou contextuar significa “incluir ou intercalar em um texto”. Contexto significa o “encadeamento de idéias de um escrito, argumento ou composição”. Encadear significa “ligar com cadeia. Acorrentar, prender;/coordenar (idéias, argumentos etc.); concatenar;/tirar a ação ou o movimento a; cativar, sujeitar;/atrair, ligar por afeto; afeiçoar;/ formar série, ligar-se a outros;/fazer seguir na ordem natural”.
Contextuar corresponde a algo inclusivo, que liga, por exemplo, diferentes palavras e outros indicadores semânticos, compondo um frase, parágrafo ou texto. A proposta da questão é um convite para que leia o enunciado com cuidado, que interprete o que está sendo proposto. Que coordene as idéias, os argumentos apresentados e que interprete a pergunta ou o desafio que o enunciado faz. Além disso, propõe-se que o aluno articule com outras informações de seu conhecimento ou com outro texto e decida sobre o que expressar da melhor forma.

Ordenar – Segundo o dicionário, entre outros significados, ordenar é “colocar(-se), dispor(-se) em ordem; organizar(-se);/dar ordem, determinar, mandar que se faça algo;/resolver, decidir-se a;/aparelhar-se, dispor-se, preparar-se”.
Ordenar supõe tomar decisão de definir a posição de um termo em relação aos demais. Na lógica das relações de ordenação todos os termos estão incluídos e são definidos pelo lugar que ocupam em relação aos outros termos e ao critério que organiza, isto é, dá sentido e direção ao posicionamento definido pela ordenação.

Demonstrar – Demonstrar, como explica o dicionário, é “provar com um raciocínio convincente/descrever e explicar de maneira ordenada e pormenorizada, com auxílio de exemplos, espécimes ou experimentos;/indicar ou mostrar mediante sinais exteriores; manifestar;/dar (-se) a conhecer, revelar (-se).

Interpretar – Segundo o dicionário, interpretar, entre outros significados, é “aclarar, explicar o sentido de;/tirar de (alguma coisa) uma indução ou presságio;/ajuizar da intenção, do sentido de;/reproduzir ou exprimir a intenção ou o pensamento de”
Interpretar é dar sentido à experiência ou a uma situação proposta. Interpretar é avaliar, isto é, atribuir um valor (de sobrevivência biológica, social, cultural, etc.) ao objeto de interpretação. A interpretação apóia-se nos dados das experiências ou nos indicadores da situação proposta, que possibilitam a realização de inferências ou julgamentos que a expressam. Interpretar é, também, uma forma de generalizar, no sentido de sair de algo particular e organizá-la como algo geral ou destacado no contexto. A interpretação tem sempre uma base subjetiva, pois caracteriza uma tomada de decisão ou valor assumido por uma pessoa. Daí a importância de se definir os critérios ou regras para a interpretação, ou seja, de objetivar-se a interpretação.

Propor – Segundo o dicionário, propor é “apresentar para consideração, discussão ou solução;/apresentar ou oferecer para aceitação ou adoção;/expor a exame; submeter à apreciação;/ expor, referir, relatar;/indicar, lembrar, oferecer como alvitre; sugerir;/fazer o propósito de; prometer;/dar como norma ou regra;/fazer propósito; formar intento;/ ter em vista; ter intenção de; destinar-se a, dispor-se a;/ projetar, deliberar, projetar; prometer a si mesmo.”
Propor formas de intervenção é uma competência relacionada à ação de prever ou antecipar. Nesse sentido, a proposição busca a intervenção em uma realidade no sentido de melhorar, aperfeiçoar ou tornar possível a convivência com os fatores, por vezes insuperáveis, que a determinam. Trata-se de uma forma de proposição que decide ou corre riscos em favor de algo que corrige, melhora ou introduz algo importante para a pessoa, sociedade ou cultura.

Fundamentar - Fundamentar, segundo o dicionário, significa “lançar os fundamentos ou alicerces de;/assentar em bases sólidas; estabelecer, firmar;/documentar, justificar com provas ou razões;/ estar fundado, apoiar-se, basear-se”.
As tomadas de decisão no contexto de uma situação-problema exigem fundamentação. Por intermédio dela, podemos justificar nossas decisões, defender as razões que nos levaram a decidir pelo que decidimos. Por que agir dessa forma? Por que escolher essa resposta como contendo a justificativa correta? Como provar que a interpretação que demos do enunciado de um item é a melhor possível?

Adaptado de “Eixos cognitivos do Enem”. Ministério da Educação. INEP.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Vidas Secas - Resumo por capítulos e os outros livros vestibular 2012/UNIR


 VIDAS SECAS
    
      1. Mudança
      Começando o livro, o narrador coloca diante do leitor o primeiro quadro:
      a) uma tomada à distância: a família no ambiente da seca.
      b) a caracterização de cada membro da família pelas suas atitudes. 

      2. Fabiano
      O narrador mostra a desintegração progressiva de Fabiano:
      a) Fabiano e a vida
      b) Fabiano e a seca
      c) Fabiano, a família e a seca. 

      3. Cadeia
      Continua o narrador a mostrar Fabiano diante da sociedade. Ele vai comprar querosene: está com água. Vai comprar chita: é cara. É levado ao jogo, não sabe se comunicar, e é preso. 

      4. Sinhá Vitória
      A apresentação de Sinhá Vitória é semelhante à de Fabiano. Aparece a sua dificuldade de relacionamento com os meninos, com a Baleia, com Fabiano. Sua aspiração: ter uma cama.

      5. Menino mais novo
      Quer espantar o irmão e Baleia. Observa o pai montar a égua. Fabiano cai, de pé. Ele vibra. Sinhá fica indiferente diante da façanha do pai, ele não se conforma com a indiferença da mãe. Tenta se comunicar com o pai, mas não consegue, fica chateado. A Baleia dormia. Foi tentar conversar com a mãe, levou um cascudo. Dorme, Sonha com um mundo adulto. No dia seguinte tenta montar o bode, mas sai sem honra da façanha. Cai, leva coices. 

      6. Menino mais velho
      Quer saber o que seja inferno. Sinhá Vitória fala em espetos quentes, fogueiras. Ele lhe perguntou se vira. A mãe zanga-se, achou-o insolente e aplicou-lhe um cocorote. Baleia era o único vivente que lhe mostra simpatia. 

      7. Inverno
      Família reunida em torna do fogo. Não havia conversa, apenas grunhidos. Ninguém entende ninguém, já são poucos humanos. 

      8. Festa
      Iam à festa de Natal na cidade. Na cidade se vêem distantes da civilização. Fabiano não fala, mas admi-ra a loquacidade das pessoas da cidade. 

      9. Baleia
      A cachorra Baleia aparecera doente. Fabiano imaginara que ela estivesse com hidrofobia, e amarrara-lhes no pescoço um rosário de sabugo de milho queimado. Ela, de mal a pior. Resolvera matá-la. 

      10. Contas
      Fabiano diante do imposto e da injustiça do patrão Nascera com esse destino, ninguém era culpado por nascer com destino ruim. 

      11. O soldado amarelo
      Fabiano ia corcunda, parecia farejar o solo, quando encontrou o soldado amarelo. Lembrou-se do passado. Quis se vingar. Reviveu todo o passado. Pensou e repensou sua condição.
      O soldado, antes cheio de medo, vendo Fabiano acanalhado, ganha coragem, avançou, pisou firme, perguntou o caminho. E Fabiano tirou o chapéu de couro, curvou-se e ensinou o caminho ao soldado amarelo. “Governo é governo.” 

      12. O mundo coberto de penas
      Depois do inverno, de novo seca anunciada nas arribações. Fabiano luta contra a natureza, atira nas arribações. 

      13. Fuga
      O mesmo quadro do primeiro capítulo. No primeiro quadro os meninos se arrastavam atrás dos pais, neste os pais se arrastam atrás dos meninos. Os meninos corriam. Era o destino do Norte – O (nor)destino. 


ATENÇÃO GALERA TERCEIRÃO JBC !

PARA ENTENDER MELHOR A LEITURA DO  LIVRO ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA PEGUE SEU LIVRO E ESQUEMATIZE AS INFORMAÇÕES ABAIXO PARA MELHOR ENTENDIMENTO NA LEITURA ESCREVENDO NA FRENTE DE CADA PARTE O ASSUNTO PRINCIPAL.

05 PARTES:

  • Primeira parte: a “Fala Inicial”, o primeiro “Cenário” e os romances I — XX.(
    Focaliza o ambiente e os antecedentes que conduzem à Inconfidência )
  • Segunda parte: Romances XXI — XLVII.( Focaliza a trama e a frustração da Inconfidência Mineira. Revela "a marcha da conspiração, seu malogro e o prenuncio das desgraças" que se abaterão sobre os inconfidentes)
  • Terceira parte: Romances XLVIII — LXIV.( Focaliza a morte de Cláudio Manuel da Costa e de Tiradentes. Nessa parte, evoca-se o sacrifício de Tiradentes)
  • Quarta parte: Romances LXV — LXXX. (Focaliza o infortúnio de Tomás Antônio Gonzaga e de Alvarenga Peixoto. Uma passagem evocativa retoma o cenário em que viveu o poeta Tomás A. Gonzaga)
  • Quinta parte: Romances LXXXI — LXXXV,( Focaliza a presença de D. Maria I, vinte anos depois de ter lavrado a sentença que decretou a morte de Tiradentes e o degredo dos demais inconfidentes. Dona Maria, já louca, contempla a terra em que ocorreu o drama da Inconfidência) mais a Fala aos Inconfidentes Mortos.
  • NO GERAL:

 ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA de Cecília Meireles
- Modernismo do Brasil


O tema central como o próprio título indica, a Inconfidência ou Conjuração Mineira, episódio histórico ocorrido em 1789, que culminou com a morte de Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradentes) e como o degredo de outros tantos revoltosos. Dentro dessa centralização temática, teríamos a morte de Tiradentes como o núcleo. Entretanto, outros temas giram em torno dele. O aproveitamento histórico do episódio serviu para a autora trazer à tona outros assuntos, tais como a traição, a covardia, a ambição desmedida (gerada principalmente pela febre do ouro), a inveja, o medo, a coragem, a ousadia, a loucura, a corrupção, e, por que não, o amor. A traição e a covardia ficam por conta daqueles que, movidos por interesse econômico (Joaquim Silvério dos Reis) ou por medo das ações do governador de Minas, delataram os inconfidentes. Muitos desse delatores sequer viram ou ouviram alguma que pudesse servir de prova contra os acusados. A ambição está presente nas atitudes do próprio Joaquim Silvério dos Reis ou do Conde de Valadares, que se vendem por dinheiro, esquecendo por completo qualquer amizade. A ousadia fica por conta do herói do poema, Tiradentes, que ousava sair pelos campos ou pelos quartéis pregando a liberdade e falando contra a ambição da Coroa Portuguesa, que estava sempre a exigir mais dinheiro para seus gastos e deleites. Também, não podemos nos esquecer dos inconfidentes e dos heróis anônimos. A loucura está presente de forma teatral na figura da própria rainha, D. Maria I, que se via condenada ao inferno; ou em Bárbara Heliodora que, marcada pela dor do degredo do marido, Alvarenga Peixoto, e pela morte de sua filha Ifigênia, acaba endoidecida e termina por morrer. A corrupção segue suas trilhas entre governadores, magistrados, fiscais, e outros tantos funcionário da Coroa. O amor não fica apenas nos versos dos poetas árcades Tomás Antônio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa ao recordarem em suas liras as pastoras Marília, Nise ou Anarda, mas também na paixão do ouvidor Tomás Antônio Gonzaga por Maria Joaquina, e o sofrimento desta pela partida do noivo. O próprio Arcadismo servirá de tema em vários momentos da presente obra, trazendo de volta as figuras das pastoras, das ovelhinhas, dos prados amenos, dos regatos mansos e da vida bucólica que se oporá, dentro do poema, ao clima de insurreição e violência que passará a dominar a ação narrativa. De maneira geral, o grande tema deste livro é a lição histórica que a Inconfidência empresta aos nossos jovens, de separar os que ficarão gravados para sempre nas páginas da História e da Literatura como heróis e símbolos da liberdade e os deixarão suas pegadas como covardes, ambiciosos e mesquinhos.(fonte:google.com)

ANJO NEGRO - NELSON RODRIGUES 


Se hoje o preconceito racial corre solto, imagine em 1946 quão pior era a situação. Nelson Rodrigues resolveu escrever sobre esse tema problemático e cheio de tabus, mas ele não quis colocar nas prateleiras mais um livro onde o negro é um Zezinho qualquer cheio de malandragem. Não, Nelson quis criar um peça teatral onde o protagonista é o negro rico, bem sucedido e cheio de conflitos pessoais. E conseguiu. É uma pena que tenha sido necessária essa distinção, esse tapa de luva na sociedade para tentar fazê-la enxergar que somos todos iguais. Ainda pior é o fato de que muitos continuam não percebendo como é patético tentar descobrir quem é melhor, negro ou branco, já que não é a melanina da pele que dita quem são os grandes caras que fazem seu nome acontecer no mundo.
Uma das ênfases de "Anjo Negro" é que, Ismael, o protagonista, para conseguir se impor na sociedade acabou pensando e agindo como um branco, repudiando sua própria cor. De fato, o personagem com maior preconceito racial na peça inteira é o próprio negro. Virgínia, a esposa branca de Ismael, tem verdadeiro nojo do marido e demonstra sua raiva assassinando por afogamento todo e qualquer filho que venha a nascer. Ismael sabe disso e nada faz, assim como todos os atos repugnantes que ambos cometem são lúcidos e com as reais intenções; não há espaço para erro sem consciência. Embora vivam em uma casa de muros altos, cada vez mais isolados do mundo, partilham de uma vida turbulenta, onde um inferniza ao outro e qualquer outra pessoa que se aproxime sofre consequências.
Uma dessas pessoas é Elias, irmão de Ismael. Por ser de cor branca, Elias sentiu na pele a inveja de Ismael quando este o cega, ainda pequeno. Quando aparece na casa do casal, Elias traz consigo problemas inacabados e provoca em seu irmão uma insaciável sede de vingança.

Colocando sua extrema habilidade em ação, Nelson Rodrigues criou uma peça teatral complexa, carregada de ambiguidades. É fácil sentir raiva de Ismael e Virgínia, mas aos poucos também é possível entender seus motivos e sentimentos. Ismael age por vezes como um monstro, mas carrega no peito sofrimento e amor. Para vencer a barreira que a sociedade impunha aos negros, torna-se um excelente médico, mas ele próprio duvida de suas capacidades. Personalidade fortes e impactantes, cuja face frágil vai aparecendo no decorrer dos atos.
É um livro de poucas páginas, envolvente, desses para ler numa só sentada


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Macrocefalia Urbana



Macrocefalia urbana é um fenômeno urbano que ocorre principalmente em países subdesenvolvidos. É caracterizada pelo desequilíbrio populacional de uma determinada região que pode ser classificada como cidade, estado ou país onde se tornam dominantes e autoritárias em relação a outras cidades por ser favorecida pela quantidade de habitantes que contém e também pela grande quantidade de indústrias em seu território.
Este fenômeno produz cidades completamente desprovidas de infra-estrutura e planejamento, o que provoca marginalização, submoradia, aumento da violência, criminalidade, desemprego, doenças que são favoráveis à reprodução de outros problemas.
Podemos perceber a macrocefalia urbana presente em países africanos e em cidades como Trípoli (Líbia), Atenas (Grécia), Montevidéu (Uruguai), Santiago (Chile), Buenos Aires (Argentina), São Paulo (Brasil) e tantas outras que apresentam problemas visíveis quanto a atividades econômicas e da população que tendem a ser mais perceptíveis em metrópoles.
Em paises  desenvolvidos a macrocefalia urbana atinge menores proporções por causa do planejamento dos mesmos e por causa do crescimento urbano gradativo que os permite estruturar suas cidades.
A macrocealia urbana é considerada como a maior arma letal contra a qualidade de vida, mas para os políticos em geral é uma forma de conquistar votos e a confiança da população, pois por meio dos problemas que a macrocefalia urbana provoca estes conseguem construir projetos de urbanização e habitação.



URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

As raízes da urbanização brasileira são decorrentes da história, os primeiros centros urbanos surgiram no século XVI, ao longo do litoral em razão da produção do açúcar, nos séculos XVII e XVIII, a descoberta de ouro fez surgir vários núcleos urbanos e no século XIX a produção de café foi importante no processo de urbanização, em 1872 a população urbana era restrita a 6% do total de habitantes. 

Posteriormente, no início de século XX, a indústria foi um instrumento de povoamento, a partir da década de 1930, o país começou a industrializar-se, como o trabalho no campo era duro e a mecanização já provocava perda de postos de trabalho, grande parte dos trabalhadores rurais foram atraídos para as cidades com intuito de trabalhar no mercado industrial que crescia. Esse êxodo rural elevou de forma significativa o número de pessoas nos centros urbanos. Atualmente 80% da população brasileira vive nas cidades, apesar disso o Brasil é um país urbano, industrial e agrícola.


Ao longo das décadas a população brasileira cresceu de forma significativa, ao passo desse crescimento as cidades também tiveram sua aceleração em relação ao tamanho, formando imensas malhas urbanas, ligando uma cidade a outra e criando as regiões metropolitanas (agrupamento de duas ou mais cidades).

O crescimento desenfreado dos centros urbanos provoca conseqüências, como o trabalho informal e o desemprego decorrente de sucessivas crises econômicas. Outro problema muito grave provocado pela urbanização sem planejamento é a marginalização dos excluídos que habitam áreas sem infra-estrutura (saneamento, água tratada, pavimentação, iluminação, policiamento, escolas e etc.) e junto a isso a criminalidade (tráfico de drogas, prostituição, seqüestros etc.). 

A falta de um plano diretor não só demanda problemas sociais como também provoca alterações ambientais, um exemplo dessa realidade é a poluição do lixo, milhões de pessoas consomem e produzem os mais diversos detritos que diariamente são depositados em lixões a céu aberto sem receber nenhum tratamento, esse lixo transmite doenças, polui o lençol freático.
Outra poluição presente nas cidades é a atmosférica, proveniente da emissão de gases de automóveis e indústrias, esses gases provocam problemas de saúde, principalmente respiratórios e, por fim, a poluição das águas, pois os dejetos das residências e indústrias são lançados sem tratamento nos córregos e rios, no período chuvoso ocorrem as cheias que dispersam a poluição por toda a área. 

Em suma, percebe-se que a maioria dos problemas urbanos é primeiramente de responsabilidade do poder público que muitas vezes são omissos em relação a essas questões, em outros momentos podemos apontar a própria população como geradora de problemas, como o lixo que é lançado em áreas impróprias. Na verdade, a tarefa de fazer com que a cidade seja um lugar bom pra se viver é de todos os que nela habitam. 


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Perda irreparável para Rondônia

EMMANOEL GOMES DA SILVA , PROFESSOR, HISTORIADOR E MEMBRO DA ACADEMIA VILHENENSE DE LETRAS,autor da coluna História de Rondônia 2 neste blog morreu na data de hoje deixando inúmeras dúvidas quanto a sua partida.Segundo a Folha de Vilhena foi encontrado morto em uma fazenda conforme matéria abaixo..


Urgente: Professor e historiador vilhenense é encontrado morto em fazenda

ALAN SOUZA 16 DE SETEMBRO DE 2014 3
Notícia acaba de ser confirmada e deixa parte da população vilhenense entristecida 
porte-arma-09-10-2011+006
Na foto interpretando um de seus poemos em momento de lazer com os amigos.
O professor e historiador Emmanuel Gomes foi encontrado sem vida em uma fazenda que pertence a amigos entre as cidades de Vilhena e Pimenta Bueno, de acordo com as primeiras informações, ele teria cometido suicídio, porém, ainda não foi realizada a perícia para que possa ser confirmada a causada da morte.
De acordo com amigos, Emmanuel estaria passando por problemas pessoais e estaria nessa fazenda para descansar, tanto que não compareceu ao trabalho na última segunda-feira, 15.
Emanuel além de professor, também era historiador e escritor, sendo autor dos livros: “A terra que se fez eldorado para todos os filhos”, “Porto Velho, a cidade erguida nos trilhos da esperança”, “Rondônia para concursos e vestibulares” e “  Um novo olhar sobre a história regional de Rondônia”.
Ele também estava envolvido com diversos movimentos artísticos na cidade de Vilhena, onde por diversas vezes recitou poesias em eventos artísticos.
Nossos sentimentos aos familiares...Foi-se o grande poeta,mas sua obra permanecerá para sempre na História de Rondônia. 

Fonte:http://www.folhadevilhena.com.br/urgente-professor-e-historiador-vilhenense-e-encontrado-morto-em-fazenda/ 

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Sesc Amazônia das Artes – Um show de talentos regionais em Porto Velho




Bado e Bando - No Quintal (RO)
A arte em um sentido amplo apresenta-se através de diversas formas como, a plástica, música, escultura, cinema, teatro, dança, arquitetura entre outras. O Sesc Rondônia vem apresentando na última semana um circuito de shows envolvendo música,dança,teatro em seus mais variados estilos que não fica nada a dever aos grandes espetáculos dos grandes centros do país,porém a falta de valorização da população local e da mídia em eventos como este é marcante e chama a atenção do pequeno grupo que frequenta esse tipo de evento e, a pergunta que não quer calar é: Por que não há divulgação suficiente para que o povo frequente,tendo em vista tratar-se de grandes espetáculos em horários acessíveis e de forma gratuita? 


Grupo Afrôs (MA)
O SESC é um caldeirão de cultura fervilhante e, o que se percebe são muitas pessoas dizendo que aqui não há eventos culturais, mas quando há, a chamada “elite” da cultura não se predispõe a prestigiar e nem a divulgar talentos que passam por aqui.Ou será que “cultura” em Porto Velho é somente “Flor-do-Maracujá”,”Expovel” e “carnaval fora de época” ? A arte não se restringe somente a isso,pois além de ser representada pelas formas mais populares,elas representam diferentes culturas e, é preciso que esse conhecimento chegue ao povo.Podemos citar por exemplo a participação do Grupo Inoromô do Maranhão que contou com a plateia da Escola João Bento trazendo uma energia contagiante num espetáculo indescritível e,que pelo entusiasmo da plateia se percebe como o desconhecimento faz com que não participem frequentemente desses eventos,porém observa-se que uma semente foi plantada e que muitos dos que ali estavam participarão mais ativamente dos próximos eventos.


Outro que fez um show foi o show arrebatador foi  Bado e Bando na abertura do evento dia 20/05. Além de ser um dos grandes talentos da terra o mesmo trouxe um show “No Quintal” de primeiríssima qualidade seguido no Domingo pelo Grupo Imbaúba do Amazonas com o Show “Vivo na Floresta”coordenado por Celdo Braga – exímio poeta da Amazônia.A região norte em suas nuances vem participando e mostrando as peculiaridades de sua região de forma fascinante, seja através do teatro,da dança ou da música.

Grupo Imbaúba (AM)


Participantes do Pará (Aldeotas – Lugar de Meórias),Mato Grosso (Tenho Flores nos Pés),do Amapá (O Curupira:um ser inesquecível) ,do Pará (A Onda Encantada), do Piauí (Luando),do Acre (As mulheres de Molière  e Origens) ,de Roraima (Carimbó Electro Seco) e de Tocantis (TO) ,se apresentaram e ainda se apresentarão no decorrer da semana fazendo todo circuito na região norte.O objetivo do SESC é “ difundir a arte que é produzida nesses Estados,arte que sugere reflexões não só sobre sua regionalidade, mas que expandem para o universal,tornando,então, possível o diálogo,troca de conhecimento sobre a arte produzida na Amazônia”.

A partir do dia 22/05 o SESC RONDÔNIA ainda apresentará a Mostra de Documentários no Audicine às 19:00h e entre eles um grande destaque aqui do Estado de Rondônia - BIZARRUS com a direção da grande jornalista Simone Norberto.

Os portovelhenses ainda podem conferir os espetáculos no decorrer desta semana  que ainda prometem encantar o público prestigiando esses grupos talentosos e ricos culturalmente no Sesc Esplanada a partir das 20:00h até o dia 20/05 e a Mostra de documentários do dia 22 a 24/05.

quarta-feira, 7 de maio de 2014

BADO realiza show “No Quintal” na abertura da Mostra Sesc Amazônia das Artes



O cantor, compositor e instrumentista, Bado, realiza no próximo sábado (10/05) o show musical “No Quintal” na abertura da Mostra Sesc Amazônia das Artes que acontece de 10 a 20 de maio com atrações de todos os estados da região amazônica.

 O projeto desenvolvido pelo Sesc/Rondônia, terá sua abertura no Teatro I, com início previsto para às 20 horas e com entrada gratuita.

O Projeto Sesc Amazônia das Artes está em sua 7ª edição e visa difundir a produção artística dos Estados que compõem a Amazônia Legal. A criatividade, o fazer artístico e a troca de experiência estão explícitos no desenvolvimento do Sesc Amazônia das Artes que sugere reflexões não só sobre sua regionalidade, mas sobre o contexto universal, tornando assim, possível estabelecer diálogo com as produções da Amazônia.

O Show Musical “No Quintal” é formado pelo cantor e compositor, Bado; o guitarrista e violonista, Ronald Vasconcelos; o tecladista e flautista, Eric Botelho; o pianista e contrabaixista, Mauro Araújo e o baterista Junior Lopes. “No Quintal” é uma aproximação da música e da poesia com o universo do compositor recolhido às lembranças de mundos vividos na infância.

Para o instrumentista, o show “No Quintal” aporta-se num lugar onde os mitos e ritos compõem as histórias fincadas no barranco do tempo e do espaço de um povo que vive a cultivar os valores culturais contidos no quintal da Amazônia. “A apresentação deste show revela as travessias da vida, valorizando as lembranças guardadas na memória”, comenta o Compositor.

Histórico
Como uma instituição nacional, de caráter privado, mantida pelo empresariado do comércio de bens, serviços e turismo desde sua criação em 1946, o Sesc promove programas na área cultural que visam colaborar com a capacidade dos indivíduos de agirem e melhorarem a sua condição garantindo o bem estar e qualidade de vida, incentivando e difundindo a produção cultural. Confira a programação:

PROGRAMAÇÃO

10/05     " N0 QUINTAL "  -    BADO E BANDO    -  MÚSICA   (RO)
11/05     " VIVO NA FLORESTA " -     GRUPO INBAÚBA   -  MÚSICA  (AM)
12/05     TEATRO      "ALDEOTAS :  Um lugar de memórias"  -  GRUTA DE TEATRO (PA)
13/05     "TENHO FLÔRES NOS PÉS"  -   COMADANÇA  (MT)
14/05      "INOROMÔ"   -    GRUPO AFRÔS    - MÚSICA (MA)
15/05      "O CURUPIRA : Umser inesquecível"     -    TEATRO  (RO)
16/05      "A ONDA ENCANTDA"  -  TATI BENONE E YASH LUNA   -  DANÇA (PA)
17/05     "LUANDO"    -   JOSUÉ COSTA      -  MÚSICA  (PI)
18/05     "AS MULHERES DE MOLIÈRE" - Cia. Visse e Versa de Ação Cênica - TEATRO (AC)
19/05     "CARIMBÓ ELETRO SECO"  - BEN CHARLES E LOS THE OS  -  MÚSICA  (RR)
20/05     "ORIGENS "     -      NÓIS DA CASA   -    DANÇA  (AC)

Vale a pena Conferir!!!

Fonte: Edgar Melo


quarta-feira, 12 de março de 2014

PRESIDENTE OU PRESIDENTA - INFORMAR-SE É PRECISO...


LER E ESTUDAR UMA GRAMÁTICA NORMATIVA NÃO FAZ MAL A NINGUÉM - A PALAVRA "PRESIDENTA " ESTÁ CORRETA E SE TENS PREGUIÇA DE SE INFORMAR BASTA ABRIR O DICIONÁRIO AURÉLIO QUE LÁ ESTÁ E,SEMPRE FOI ADMITIDO ESSA FORMA POR GRANDES GRAMÁTICOS DA LÍNGUA PORTUGUESA(VIDE BIOGRAFIA ABAIXO),MESMO ANTES DA SRA. DILMA ASSUMIR A PRESIDÊNCIA.
"1) Observa Domingos Paschoal Cegalla que presidenta "é a forma dicionarizada ecorreta, ao lado de presidente". Exs.:
a) "A presidenta da Nicarágua fez um pronunciamento à nação";
b) "A presidente das Filipinas pediu o apoio do povo para o seu governo".8
2) Para Arnaldo Niskier, "o feminino de presidente é presidenta, mas pode-se também usar a presidenta, que é a forma utilizada em diversos jornais".
3) Sousa e Silva não vê desdouro algum nem incorreção lingüística em se dizer presidenta para o feminino.
4) E transcreve tal gramático o posicionamento de Sá Nunes, para quem, ao se deixar de flexionar tal vocábulo, "não pode haver contra-senso maior: contra a Gramática e contra o gênero da Língua Portuguesa", uma vez que "o substantivo que designa o cargo deve concordar em gênero com a pessoa que exerce a função. Sempre foi assim, e assim tem de ser".
5) Continuando na exposição de seu próprio entendimento, complementa Sousa e Silva que, na esteira dos nomes terminados em ente – e que são comuns aos dois gêneros – tanto se pode dizer a presidente como a presidenta.10
6) Cândido de Oliveira, após lecionar que "os nomes terminados em ente são comuns de dois gêneros", acrescenta textualmente que "é de lei, assim para o funcionalismo federal como estadual, e de acordo com o bom senso gramatical, que nomes designativos de cargos e funções tenham flexão: uma forma para o masculino, outra para o feminin"; e, em seu exemplário, ao masculino presidente contrapõe ele o feminino presidenta.11
7) Ao lado de presidente – que dá como substantivo comum-de-dois gêneros – registra a palavra presidenta como um substantivo feminino o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, que é o veículo oficial para dirimir dúvidas acerca da existência ou não de vocábulos em nosso idioma,12 o que implica dizer que seu uso está plena e oficialmente autorizado entre nós. Pode-se dizer, portanto, a presidente ou a presidenta.
 Elis de Almeida Cardoso é doutora em letras e professora de língua portuguesa na USP e diz o seguinte:
"A categoria gramatical de gênero frequentemente é confundida com a noção de sexo. Cumpre lembrar que são noções distintas. O sexo é o conjunto das características que diferenciam o macho da fêmea; o gênero, em gramática, é uma categoria que distingue, em português, um nome masculino de um nome feminino, seja esse nome referente a um ser sexuado ou não.
As gramáticas, em relação à categorização do gênero, de uma maneira geral, acabam não sendo muito elucidativas, a ponto de dizerem simplesmente que são masculinos os nomes a que se pode antepor o artigo o - o livro, o telefone, o relógio - e são femininos os nomes a que se pode antepor o artigo a - a mesa, a cama, a pulseira.

Após a leitura dessa definição, a pergunta que se pode fazer é por que determinado substantivo é masculino e outro feminino? Qual a regra? "Sofá" é masculino (o sofá). Será que isso ocorre pelo fato de ele ser maior e mais pesado do que "a poltrona", substantivo feminino? Claro que se percebe, na verdade, que a distinção de gênero não é, e está longe de ser, racional.

Trata-se de uma divisão absolutamente aleatória. Pode-se tentar estabelecer uma normatização, ao se perceber que a maioria dos substantivos terminados em o são masculinos e os terminados em a são femininos. Pense em "o banco" e "a cadeira". Essa é uma verdade, mas sobram os nomes terminados por outras vogais e consoantes. Como explicar, então, o fato de "cabide" ser masculino (o cabide) e "parede" ser feminino (a parede)? Há ainda as exceções (o mapa, a união)... E o estrangeiro sofre, quando deixa "o chave cair na chão", tentando entender o inexplicável.

Pelo fato de a distinção de gênero ser aleatória, ela varia de língua para língua. No alemão, por exemplo, não existem dois, mas três gêneros: masculino, feminino e neutro. No latim também ocorria essa divisão. Em línguas próximas ao português como o francês, o espanhol e o italiano, há diferenças. "O mar", masculino em português, é feminino em francês (la mer), a nossa "ponte" é il ponte em italiano, e "a arte" é palavra masculina em espanhol (el arte).

Classificação questionável
Isso quer dizer que, para aprender a classificar os substantivos de acordo com o gênero, é necessário memorizá-lo, determinando-o com um artigo: o clima, o sol, a lua, o trovão, a tempestade... Esse aprendizado ocorre desde a infância. Ao decorar o nome de um objeto, a criança já caracteriza seu gênero sabendo que seus brinquedos são a bola, o balde, a boneca, o carrinho...

Volto a insistir que a categoria de gênero é uma noção gramatical, que não tem a ver com sexo. Prova-se essa afirmação, verificando-se que "vítima", por exemplo, é um substantivo feminino (a vítima), seja ela um homem ou uma mulher.

Como se não bastasse a dificuldade de caracterização em que o uso acaba se pautando mesmo na tradição, as gramáticas normativas, seguindo a Nomenclatura Gramatical Brasileira, apresentam uma classificação bastante questionável, falando em substantivos epicenos, sobrecomuns e comuns de dois. Além disso, percebe-se que muitos manuais falam em correspondência entre masculino e feminino por heteronímia (homem/mulher) ou sufixação (galo/galinha). Na verdade, muitos nomes que pouco esclarecem.

Categorias
Aceita a questão da aleatoriedade do gênero, resta perceber que, em português, há, por um lado, substantivos na língua que são sempre masculinos (livro, sofá) e substantivos que são sempre femininos (mesa, cadeira). Por outro lado, há pares de substantivos em que se verifica para uma forma masculina, uma forma feminina correspondente.

Para facilitar a compreensão de como ocorre a categorização de gênero em português e evitar nomes desnecessários, analisemos os pares: o gato/ a gata; o homem/ a mulher; o galo/ a galinha; o tatu (macho)/ o tatu (fêmea); o estudante/ a estudante.

No primeiro caso, o par gato/gata mostra o processo de flexão de gênero. O o final de "gato" dá lugar ao a de "gata", mantendo-se o mesmo radical. Pode-se dizer que são formas diferentes da mesma palavra marcadas pela oposição o/a. O mesmo ocorre com menino/menina, lobo/loba. Em autor/autora, peru/perua, a oposição se dá entre um vazio que marca o masculino (autor + Ø) e o aque marca o feminino (autor + a). Não deixa de ser um caso de flexão.

No segundo caso, as duas palavras, "homem" e "mulher" apenas se correlacionam semanticamente. Dizer que "mulher" é o feminino de "homem" é confundir flexão de gênero com um processo de analogia semântica entre duas palavras da língua. Nesse caso não há flexão e pode-se dizer que "homem" é uma palavra de gênero masculino e "mulher" uma palavra de gênero feminino.

Sufixos correspondentes
Observando o par galo/galinha vê-se que a correspondência ocorre pela sufixação. À forma masculina "galo" foi acrescentado o sufixo -inha para formar-se "galinha". Também aqui não se pode falar em flexão, pois uma palavra foi formada a partir de outra, uma é derivada da outra. A correspondência entre a palavra masculina "galo" e a feminina "galinha" ocorre por derivação.

Em o tatu macho/ o tatu fêmea, percebe-se pelo uso do artigo que "tatu" é uma palavra masculina que não sofre flexão de gênero. O mesmo ocorre com "jacaré".

O último par (o estudante/ a estudante) mostra que a oposição masculino/feminino se dá apenas pela variação do determinante (artigo). O mesmo ocorre com "dentista" e "repórter". Também não há flexão. Parece que, nesse caso, isso é evidente, uma vez que a forma da palavra (estudante) sequer variou.

O problema maior é estabelecer até que ponto os substantivos devem ser comuns de dois gêneros e até que ponto devem sofrer a flexão de gênero. Percebe-se, principalmente no que diz respeito aos nomes que denominam profissões ou cargos, que há uma necessidade de marcar o feminino.

Essa necessidade surge do uso. Como até há pouco tempo a mulher exercia poucas profissões, esses problemas não apareciam na língua, mas à medida que a mulher foi entrando no mercado de trabalho surgiram necessidades e as primeiras confusões.

São comuns de dois os substantivos "assistente" (o assistente/ a assistente), "estudante" (o estudante/ a estudante), mas já se aceita a flexão em "presidente" (o presidente/ a presidenta). Se "presidenta" não causa mais estranhamento, o que dizer das formas dicionarizadas "oficiala" e "sargenta"? O feminino de "cabo" seria, então, "caba"? Isso acaba com qualquer um. Mesmo porque certos femininos soam como pejorativos. "Chefa" é um bom exemplo.

Tipos de substantivos
Por que todo esse problema? Porque parece ser necessário associar gênero feminino a sexo feminino.
Confusões maiores surgem quando as formas femininas são idênticas aos nomes das ciências ou disciplinas. O músico/ a música, o químico/ a química, o gramático/ a gramática. "Música", "química", "gramática" são mulheres? Confuso, não é? Apela-se então para a sufixação: o músico, a musicista. Parece artificial? Cecília Meireles queria ser chamada de "poeta" e não de "poetisa"...  "
Então caros jovens, educadores,críticos em alguns blogs que tem criticado o fato da Sra. Dilma querer ser chamada de "Presidenta" e, continuam enviando o tipo de mensagem no final desta ,atentem para o que dizem os grandes entendedores da Língua Portuguesa e leiam um pouco mais,pois informação nunca é demais.

 Lembre-se também que o Dicionário Aurélio traz de forma clara o feminino de presidente como "presidenta", então vamos repassar a mensagem de forma correta, pois PRESIDENTA  está certíssimo e quem tiver dúvida consulte as gramáticas abaixo e estudem um pouco mais antes de sair assassinando a gramática por aí, só para criticar a presidenta.(Uma informação: não votei na Dilma e não estou defendendo-a,estou apenas passando a informação constante nas gramáticas quanto ao uso da palavra "presidenta")


Cf. CUNHA, Celso. Gramática Moderna. 2. ed. Belo Horizonte: Editora Bernardo Álvares S/A, 1970. p. 96.
 2Cf.RIBIERO, João. Gramática Portuguesa. 20. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1923. p. 158. 
3Cf.BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 19. ed., segunda reimpressão. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1974. p. 84.
 .NASCENTES, Antenor. O Idioma Nacional. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942. vol. II., p. 60
 5Cf.SACCONI, Luiz Antônio. Nossa Gramática. São Paulo: Editora Moderna, 1979. p. 32.
 6Cf.BARRETO, Mário. Fatos da Língua Portuguesa.2. ed. Rio de Janeiro: Organização Simões Editora, 1954. p. 188
.7Cf. OLIVEIRA, Édison de. Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você. Edição sem data. Porto Alegre: Gráfica e Editora do Professor Gaúcho Ltda. P. 158
.8Cf. CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999. p. 330.
 9Cf.NISKIER, Arnaldo. Questões Práticas da Língua Portuguesa: 700 Respostas. Rio de Janeiro: Consultor, Assessoria de Planejamento Ltda., 1992. p. 58.
 10Cf. SILVA, A. M. de Sousa e. Dificuldades Sintáticas e Flexionais. Rio de Janeiro: Organização Simões Editora, 1958. p. 307. 
11Cf.OLIVEIRA, Cândido de. Revisão Gramatical. 10. ed. São Paulo: Editora Luzir, 1961. p. 133-134. 
12Cf. Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 4. ed., 2004. Rio de Janeiro: Imprinta. p. 644.