quarta-feira, 7 de novembro de 2018

A polêmica prova do Enem 2018 - Linguagens

A prova de Linguagens novamente gerando polêmicas,não somente por parte dos candidatos como também por parte de educadores.Pergunta-se: Quando os candidatos e os próprios educadores tomarão conhecimento do edital do Enem em sua completude?

O Enem completou 20 anos de sua primeira aplicação em agosto de 2018 e,é incrível que até a presente data ainda se desconheça a elaboração da prova,que é realizada por um conjunto de competências e habilidades constantes na matriz de referência  a qual  no edital vem constando no item 3 - Da estrutura do Exame que traz no subitem 3.1 o link para acesso ; h t t p : / / p o r t a l . i n e p . g o v. b r / e n e m ; .Essa matriz direciona todas as questões nas 4 áreas trabalhadas no Enem e,pelo que se percebe 90% dos candidatos a desconhece,pois caso conhecessem não questionariam questões que tratam de direitos humanos,minorias,cidadanias,questões sociais,pois logo na competência 1 de Ciências Humanas ,já aparece em seu escopo "Compreender os elementos culturais que constituem identidades" que tem por conteúdo exatamente a diversidade cultural,conflitos e vida em sociedade dentro de 5 habilidades específicas.Já na competência 2 entre os assuntos exigidos estão a luta pela conquista de direitos pelos cidadãos,sejam eles,direitos civis,humanos,políticos e sociais,além disso, direitos sociais na constituição brasileira,políticas afirmativas,bem como as redes de hierarquia nas cidades envolvendo a pobreza e segregação espacial. Então qual o problema com as questões referentes a esses assuntos? Elas estão inseridas em cada contexto das habilidades pertinentes às competências.



Na área de linguagens a questão mais questionada foi a questão do "dialeto" dos travestis.Quem conhece e estuda as variações linguísticas pertinentes a prova, o assunto está centrado na competência 8, mais especificamente na habilidade que diz "Relacionar as variedades linguísticas a situações específicas de uso social", ou seja, os travestis apenas se apropriaram de um dialeto existente  - o yorubá - para expressar-se em algumas circunstâncias (situações específicas de uso social). O candidato não precisava ter conhecimento do dialeto para responder a questão,apenas leitura e interpretação,nada mais que isso.

Será que a maldade está tão entranhada na mente do ser humano que não se pode mais citar em um texto os mesmos? Qual o problema em ser gay,travesti se você não é? Se o assunto não tem nada a ver com minha vida por que damos tanta importância a isso?Vale uma reflexão,pois é absurdo o preconceito disseminado até por leitura de questões. O Enem NÃO É e nunca foi uma prova conteudista.O Enem avalia habilidades e habilidade de interpretação é o que foi cobrado na questão e parece-nos que sequer os educadores conhecem essas competências e trabalham isso em sala.Como uma escola prepara para o Enem sem conhecer as competências e habilidades? Todos já têm conhecimento de que o aluno de Ensino Médio precisa passar por esta prova para ingressar ao Ensino Superior. O que tem sido dado nas salas de aulas? É preciso que haja uma fiscalização maior pelos órgãos responsáveis quanto a aplicação dessas competências e habilidades em sala de aula,é preciso ensinar nossos alunos a contextualizá-las em suas respectivas habilidades. Na prova de linguagens das 30 habilidades, apenas a 1,7 e 20 não caíram na prova de 2018, todas as demais apareceram.Um educador que não trabalha isso em sala estará com certeza prejudicando seus alunos.A prova exige muito mais que matéria e/ou conceitos decorados de gramática, algo que dificilmente cai,a prova exige contextualização,leitura,compreensão do que lê,conhecimento de mundo.Então cobrar conteúdos,dizer que deu tudo em sala e que a prova não atende é desconhecimento total da prova do Enem,pois além de estar trabalhando de forma incorreta está prejudicando os candidatos.

Quanto ao candidato cabe ao mesmo fazer uma leitura atenta do edital e estudar mediante a matriz,e cobrar do seu professor o que não entende para que possa ser explicado.Se não houver resultado buscar em videoaulas sanar as dificuldades,afinal um ano de preparação já é suficiente para conseguir uma boa nota.Ficar esbravejando,criticando a prova sem ter conhecimento necessário de como ela é elaborada não adianta,só mostra o aumento do analfabetismo funcional.Menosprezar textos que tratam de direitos humanos,preconceito,feminismo só mostram o seu desconhecimento frente a atualidades,pois a maioria dos textos são retirados de revistas,artigos constantes na mídia e do dia a dia do seu cotidiano.Querer um determinado curso e não se preocupar em ver o que é cobrado na prova com certeza não o ajudará a chegar no objetivo desejado.

Para quem não conhece,as competências de Linguagens abaixo:


Competência de área 1 - Aplicar as tecnologias da comunicação e da informação na escola, no trabalho e em outros contextos relevantes para sua vida

CONTEÚDO: Estudo do texto: as sequências discursivas e os gêneros textuais no sistema de comunicação e informação - modos de organização da composição textual; atividades de produção escrita e de leitura de textos gerados nas diferentes esferas sociais – públicas e privadas.

H1 - Identificar as diferentes linguagens e seus recursos expressivos como elementos de caracterização dos sistemas de comunicação.
H2 - Recorrer aos conhecimentos sobre as linguagens dos sistemas de comunicação e informação para resolver problemas sociais.
H3 - Relacionar informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, considerando a função social desses sistemas.
H4 - Reconhecer posições críticas aos usos sociais que são feitos das linguagens e dos sistemas de comunicação e informação.


Competência de área 2 - Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais*.




H5 – Associar vocábulos e expressões de um texto em LEM ao seu tema.
H6 - Utilizar os conhecimentos da LEM e de seus mecanismos como meio de ampliar as possibilidades de acesso a informações, tecnologias e culturas.
H7 – Relacionar um texto em LEM, as estruturas linguísticas, sua função e seu uso social.
H8 - Reconhecer a importância da produção cultural em LEM como representação da diversidade cultural e linguística.

Competência de área 3 - Compreender e usar a linguagem corporal como relevante para a própria vida, integradora social e formadora da identidade.

CONTEÚDO - Produção e recepção de textos artísticos: interpretação e representação do mundo para o fortalecimento dos processos de identidade e cidadania – Artes Visuais: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade. Teatro: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Música: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Dança: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Conteúdos estruturantes das linguagens artísticas (Artes Visuais, Dança, Música, Teatro), elaborados a partir de suas estruturas morfológicas e sintáticas; inclusão,
diversidade e multiculturalidade: a valorização da pluralidade expressada nas produções estéticas e artísticas das minorias sociais e dos portadores de necessidades especiais educacionais.

H9 - Reconhecer as manifestações corporais de movimento como originárias de necessidades cotidianas de um grupo social.
H10 - Reconhecer a necessidade de transformação de hábitos corporais em função das necessidades cinestésicas.
H11 - Reconhecer a linguagem corporal como meio de interação social, considerando os
limites de desempenho e as alternativas de adaptação para diferentes indivíduos.

Competência de área 4 - Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrador da organização do mundo e da própria identidade.

CONTEÚDO - : Análise da Produção e recepção de textos artísticos: interpretação e representação do mundo para o fortalecimento dos processos de identidade e cidadania – Artes Visuais: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade. Teatro: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Música: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Dança: estrutura morfológica, sintática, o contexto da obra artística, o contexto da comunidade, as fontes de criação. Conteúdos estruturantes das linguagens artísticas (Artes Visuais, Dança, Música, Teatro), elaborados a partir de suas estruturas morfológicas e sintáticas; inclusão, diversidade e multiculturalidade: a valorização da pluralidade expressada nas produções estéticas e artísticas das minorias sociais e dos portadores de necessidades especiais educacionais nas habilidades abaixo:

H12 - Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho da produção dos artistas em seus meios culturais.
H13 - Analisar as diversas produções artísticas como meio de explicar diferentes culturas, padrões de beleza e preconceitos.
H14 - Reconhecer o valor da diversidade artística e das inter-relações de elementos que se apresentam nas manifestações de vários grupos sociais e étnicos.

Competência de área 5 - Analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo com as condições de produção e recepção.

CONTEÚDO - Estudo do texto literário: relações entre produção literária e processo social, concepções artísticas, procedimentos de construção e recepção de textos – produção literária e processo social; processos de formação literária e de formação nacional; produção de textos literários, sua recepção e a constituição do patrimônio literário nacional; relações entre a dialética cosmopolitismo/localismo e a produção literária nacional; elementos de continuidade e ruptura entre os diversos momentos da literatura brasileira; associações entre concepções artísticas e procedimentos de construção do texto literário em seus gêneros (épico/narrativo, lírico e dramático) e formas diversas; articulações entre os recursos expressivos e estruturais do texto literário e o processo social relacionado ao momento de sua produção; representação literária: natureza, função, organização e estrutura do texto literário; relações entre literatura, outras artes e outros saberes.


H15 - Estabelecer relações entre o texto literário e o momento de sua produção, situando
aspectos do contexto histórico, social e político.
H16 - Relacionar informações sobre concepções artísticas e procedimentos de construção
do texto literário.
H17 - Reconhecer a presença de valores sociais e humanos atualizáveis e permanentes
no patrimônio literário nacional.
Competência de área 6 Compreender e usar os sistemas simbólicos das diferentes linguagens
como meios de organização cognitiva da realidade pela constituição de significados, expressão,
comunicação e informação.

CONTEÚDO: Estudo dos aspectos linguísticos em diferentes textos(Gêneros estudados no início): recursos expressivos da língua,procedimentos de construção e recepção de textosorganização da macroestrutura semântica e a articulação entre ideias e proposições (relações lógico-semânticas).


H18 Identificar os elementos que concorrem para a progressão temática e para a organização e
estruturação de textos de diferentes gêneros e tipos.
H19 Analisar a função da linguagem predominante nos textos em situações específicas de
interlocução.
H20 Reconhecer a importância do patrimônio linguístico para a preservação da memória e da
identidade nacional.
Competência de área 7 Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes linguagens e
suas manifestações específicas.

CONTEÚDO: Estudo do texto argumentativo, seus gêneros e recursos linguísticos: argumentação: tipo, gêneros e usos em língua portuguesa – formas de apresentação de diferentes pontos de vista; organização e progressão textual; papéis sociais e comunicativos dos interlocutores, relação entre usos e propósitos comunicativos, função sociocomunicativa do gênero, aspectos da dimensão espaço-temporal em que se produz o texto.

H21 Reconhecer, em textos de diferentes gêneros, recursos verbais e não verbais utilizados com a finalidade de criar e mudar comportamentos e hábitos.
H22 Relacionar, em diferentes textos, opiniões, temas, assuntos e recursos linguísticos.
H23 Inferir em um texto quais são os objetivos de seu produtor e quem é seu público-alvo, pela análise dos procedimentos argumentativos utilizados.
H24 Reconhecer no texto estratégias argumentativas empregadas para o convencimento do público, tais como a intimidação, sedução, comoção, chantagem, entre outras.

Competência de área 8 Compreender e usar a língua portuguesa como língua materna, geradora de significação e integradora da organização do mundo e da própria identidade.

CONTEÚDO: Estudo dos aspectos linguísticos da língua portuguesa: usos da língua: norma culta e variação linguística uso dos recursos linguísticos em relação ao contexto em que o texto é constituído: elementos de referência pessoal, temporal, espacial, registro linguístico, grau de formalidade, seleção lexical, tempos e modos verbais; uso dos recursos linguísticos em processo de coesão textual: elementos de articulação das sequências dos textos ou a construção da microestrutura do texto.

H25 Identificar, em textos de diferentes gêneros, as marcas linguísticas que singularizam as
variedades linguísticas sociais, regionais e de registro.
H26 Relacionar as variedades linguísticas a situações específicas de uso social.
H27 Reconhecer os usos da norma padrão da língua portuguesa nas diferentes situações de
comunicação.

Competência de área 9 Entender os princípios, a natureza, a função e o impacto das tecnologias da comunicação e da informação na sua vida pessoal e social, no desenvolvimento do conhecimento, associando-os aos conhecimentos científicos, às linguagens que lhes dão suporte, às demais tecnologias, aos processos de produção e aos problemas que se propõem
solucionar.

CONTEÚDO: Estudo dos gêneros digitais: tecnologia da comunicação e informação: impacto e função social o texto literário típico da cultura de massa: o suporte textual em gêneros digitais; a caracterização dos interlocutores na comunicação tecnológica; os recursos linguísticos e os gêneros digitais; a função social das novas tecnologias.

H28 Reconhecer a função e o impacto social das diferentes tecnologias da comunicação e informação.
H29 Identificar, pela análise de suas linguagens, as tecnologias da comunicação e informação.
H30 Relacionar as tecnologias da comunicação e informação ao desenvolvimento das sociedades e ao conhecimento que elas produzem.














terça-feira, 28 de novembro de 2017

REDAÇÃO - COMO ELABORAR

Como se preparar para uma Redação no Enem?

A primeira coisa é ter consciência de que não adianta querer aprender tudo somente na terceira série do Ensino Médio.Isso é trabalho que deve vir desde o Ensino Fundamental.Redação exige treino e ninguém aprende da noite para o dia. LEITURA de mundo é essencial para sair do senso comum e escrever um bom texto.

Mas o que é Leitura de mundo?

É ter informações diversas, é saber relacionar o tema que tem em mãos às diversas áreas de conhecimento, é saber fazer relações dentro da filosofia,da sociologia, da história e até mesmo da atualidade presente nos vários sites e jornais sérios. Candidato que se baseia em informações fakes de redes sociais corre o risco de ter sérios problemas. Estudante que escreve um bom texto é aquele que LÊ.

Qual o maior erro nas redações do Enem?

O maior erro é a NÃO interpretação do tema.Por exemplo quando ocorreu a redação sobre "A persistência da violência contra a mulher", o candidato que saiu falando somente sobre a violência contra a mulher tangenciou o tema e tangenciando NÃO tira notas boas, pois era preciso que se falasse sobre a "persistência" dessa violência.Candidatos que generalizaram o tema falando de violência de forma geral fugiram ao tema levando nota zero, já o tema de 2016 "Caminhos para o combate à intolerância religiosa" precisava deixar claro em seu texto os "caminhos",as estratégias de "combate" à intolerância dentro das religiões. Candidato que só falou de religião sem mencionar a intolerância fugiu ao tema levando zero, já candidato que falou somente da Intolerância Religiosa sem citar as estratégias de combate tangenciou o tema.Para ter um texto completo era necessário ter falado de TODAS as parte dos temas, ou seja, dos caminhos,das estratégias de combate à Intolerância relacionando a algum conhecimento de mundo,para que pudesse ter uma nota boa.

Já no tema de 2017 - Desafios para a formação educacional dos surdos no Brasil,se fazia necessário falar dos "desafios" encontrados pelos surdos na "formação educacional",desafios estes que tanto podiam ser tanto do surdo quanto do país em fornecer essa formação educacional.Candidato que só falou de deficientes pode ter fugido ao tema,bem como candidatos que só falaram de educação ou de inclusão sem mencionar "deficientes auditivos".Para ter o tema completo sem fugir ao tema ou tangenciá-lo seria necessário falar dos "desafios", dos "surdos" e da "formação educacional" relacionando às diversas áreas de conhecimento para não ficar preso a texto previsível/senso comum,ou seja,trazer um contexto histórico,fazer analogias com frases de filósofos,sociólogos,etc.

Portanto volta-se a enfatizar que a INTERPRETAÇÃO do tema é essencial como parte essencial no entendimento do que vai escrever.
Hoje vários sites dão temas que o candidato pode usar para treino durante o ensino médio e havendo necessidade encontrar alguém que corrija para ele dentro da matriz de competências do Enem.

Mas o que é a matriz de competências do Enem?

Essa matriz pode ser encontrada aqui, pois ela é fornecida pelo Inep e qualquer aluno que não queira cometer erros tem obrigação de conhecê-la e saber como é avaliado sua redação,pois se você presar atenção, as 5 competências exigidas estão na instrução da sua redação.

Veja:

A partir do texto motivador e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação (COMP. 3), redija texto dissertativo-argumentativo (COMP. 2) em norma padrão da língua portuguesa (COMP.1) sobre o tema _____________________, apresentando proposta de intervenção (COMP. 5). Selecione, organize (COMP. 3) e relacione (COMP. 4), de forma coerente e coesa (COMP. 4), argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista (COMP. 2).


O que você precisa saber de cada competência:

Competência 1: A competência 1  trata da escrita na norma culta, ou seja, dentro das regras gramaticais cujo item são observados se há desvios de ortografia, concordâncias, regências, acentuação, pontuação, registro vocabular, emprego do hífen, uso de maiúsculas e minúsculas, etc. Além disso, observa-se se há paralelismo sintático, isto é, se seus períodos são completos, se há coerência entre orações.Para você conseguir o nível 5 - 200 pontos - nessa competência só será admissível 2 desvios e uma ausência de paralelismo.


☞Competência 2 a compreensão do tema é fundamental para não tangenciá-lo, ou seja, o candidato precisa escrever sobre as palavras chaves do tema. Por exemplo no tema: "Os riscos na ascensão do ódio nas redes sociais", você NÃO pode escrever somente sobre os discursos de ódio, você precisa falar sobre os riscos que isso causa, bem como as causas dessa ascensão para ter uma abordagem completa.

Ainda na competência 2 é avaliado seu repertório sociocultural produtivo. O participante precisa ir além dos textos de apoio e do senso comum. Precisa fundamentar o tema que tem em mãos nas áreas de conhecimento (história, filosofia, sociologia, arte,literatura,etc). Além disso precisa deixar claro seu posicionamento frente ao problema, afinal aqui se avalia a tipologia também: Dissertativo argumentativo.
☞Na competência 3 o candidato precisa mostrar seu projeto de texto, ou seja, trazer na introdução uma tese bem definida seguida dos argumentos. No desenvolvimento desenvolver esses argumentos fundamentando-os através de justificativas, exemplificações, relacionando-os às áreas de conhecimento,seguido da conclusão.

Você precisa ter um bom projeto de texto para que seja avaliado com nota máxima.




 
           O       TESE + ARG1 + ARG2
R
G       ARG.1 
A                               Relacionar às diversas áreas de conhecimento(REPERTÓRIO PRODUTIVO)
N       ARG.2
I
Z
A
R       CONCLUSÃO => agente + ação+meio+objetivo +DETALHAMENTO


Competência 04 observa-se os elementos coesivos interparágrafos e intraparágrafos. Sua nota será baseada no nível em que você os usa. A ausência deles provavelmente o deixará no nível 1 e 2. O participante precisa chegar ao nível 5.

☞Competência 5 ,desde 2017 ,o Enem não quer várias propostas de intervenções. Quer apenas uma que contenha os 5 elementos necessários: agente, ação, detalhe, modo e objetivo. Atente para os elementos nulos que não contarão para efeito de nota.







sexta-feira, 17 de março de 2017

Redação Enem - 15 Dicas para uma boa redação segundo o G1.globo.com

Fonte: http://g1.globo.com/educacao/enem/2015/

1 - Leia artigos de opinião
Colunista do G1 e autora do livro "Redação Excelente! Para Enem e Vestibulares", a educadora Andrea Ramal aponta que é preciso investir na leitura.

"Leia muito, sobretudo artigos de opinião de jornais e sites de notícias. Os artigos de opinião são textos dissertativo-argumentativos: exatamente o estilo que você terá que usar na prova do Enem e da maioria dos vestibulares. Quanto mais você ler, mais vai ampliar seus conhecimentos e, além disso, fixar a estrutura correta de um texto, reparando como o autor liga as ideias na introdução, desenvolvimento e conclusão."

2 - Perfil dos temas
Para Lilio Paoliello, diretor pedagógico do Cursinho da Poli, gênero, religião e política têm chances menores de aparecer como tema. "Como a prova é preparada com muita antecedência, assuntos recentes têm pouca chance de aparecer. Tradicionalmente, trata-se de temas que discutem problemas da comunidade, focados em ambiente, sociedade e cultura, mas sem tocar diretamente em questões como gênero, religião e política."

3 - Treine o tempo: uma hora
Para Andrea Ramal, é hora de treinar o bom uso do tempo. "Escolha temas relevantes e escreva sobre eles como se fosse no dia da prova. Você tem uma hora para escrever seu texto, certo? Faça primeiro um rascunho, descanse alguns minutinhos e, depois, releia e passe a limpo fazendo as alterações finais. Sabe os atletas, que treinam tanto para ganhar medalha nas competições? Redação também é assim. Quanto mais você treinar, melhor."

4 - Seja seguro e preciso
"Seja preciso nas palavras. Se você não tiver certeza sobre o significado de um termo, ou não lembrar da grafia correta, consulte o dicionário. Se tiver dúvida na regência ou concordância verbal e nominal, consulte a gramática. Assim você dominará cada vez mais a norma culta da língua portuguesa. E na hora da prova, que não pode consultar nada? Se tiver dúvida, troque a expressão por outra, sobre a qual você tenha certeza", aponta Andrea Ramal.

O diretor do Cursinho da Poli complementa: "O candidato deve sempre pensar que está escrevendo para outra pessoa ler. Por isso, é recomendável evitar palavras de grafia ou significado não conhecido e, caso seja necessário, optar por termos substitutos que não envolvam tantas dúvidas."

5 - Lembre de fugir do pleonasmo
"Evite pleonasmos, ou seja, repetições que revelam mau uso da linguagem. Por exemplo: subir para cima, protagonista principal, ver com seus próprios olhos, surpresa inesperada, retomar de novo e assim por diante. Não faça generalizações, como por exemplo: “A economia sempre cresce quando...” ou “Esta é a melhor solução”... Em vez dessas frases, é mais adequado dizer: “A economia costuma crescer quando...” ou “Esta pode ser uma das soluções mais indicadas”.

6 - Refaça redações com temas já abordados
"Faça redações de vestibulares de anos anteriores e, sempre que possível, peça a seu professor para corrigir e sugerir melhorias. Ao escrever, leia o enunciado com atenção. Uma das maiores causas de perda de pontos é fugir ao tema. Nesse ponto, os textos de apoio, que aparecem na proposta de redação, podem ajudar bastante: num tema muito amplo, eles dão o foco que você deve seguir."


7 - Entenda as competências exigidas
A correção da prova é baseada, sobretudo, no domínio de 5 competências:

- COMPETÊNCIA 1: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.
- COMPETÊNCIA 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
- COMPETÊNCIA 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
- COMPETÊNCIA 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.
- COMPETÊNCIA 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

8 - Sem medo de intervir
"A temida proposta de intervenção pode ser facilmente guiada pelas seguintes perguntas: quem faria essa intervenção? Quando? Como? Lembrando, claro, que o plano deve estar dentro da lei e deve respeitar os direitos humanos", pontua Lilio Paoliello, diretor pedagógico do Cursinho da Poli.


9 - Leia de forma frequente
É difícil escrever bem ser ler constantemente. "São comuns os erros ortográficos e a falta de informação, que resultam em problemas de coesão e coerência no texto. Essas dificuldades podem ser evitadas com leitura constante e frequente, que familiariza o candidato com as palavras em seu sentido correto, a norma culta de nossa língua e com o formato do texto dissertativo-argumentativo", explica o diretor do Cursinho da Poli.


10 – Pense no que pode dar em ZERO
Há algumas práticas que resultam em zero imediato. São elas: - Não atender a proposta solicitada ou desenvolver outra estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo; - Entregar a folha de redação sem texto escrito; - Escrever até 7 (sete) linhas, qualquer que seja o conteúdo; - Impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação; - Desrespeito aos direitos humanos; - Parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto.


11 - Não comece pela redação
Para o Professor Jacson Andrade, mestre em linguística aplicada e ex-colunista da TV Rio Sul, afiliada da Globo no Sul do Rio, os estudantes devem evitar começar o Enem pela redação:


“Leia atentamente a proposta de redação, mas jamais comece por ela. Embora isso possa causar uma sensação de perda de tempo, estimulará o subconsciente a buscar soluções para resolver o tema e você poderá encontrar outros fragmentos motivadores durante a execução da prova”, afirmou.

12 - Dê um tempo ao texto
De acordo com o docente, também é importante que o candidato “se afaste” do texto por um tempo após concluí-lo para facilitar a identificação de possíveis erros que tenha cometido.


“É uma das melhores estratégias para se evitar erros. Entre o rascunho e a passada a limpo, vá ao banheiro, lave o rosto e coma uma barra de cereais. Você ganhará aproximadamente trinta minutos de ‘tempo psicológico’ e identificará com mais precisão os pequenos equívocos na escrita”.


13 - Introdução de sucesso
Começar a redação demonstrando conhecimento dos principais fatos históricos pode ser um ingrediente importante na receita para um texto bem avaliado no exame.


“Há quase dez formas de se iniciar uma redação, mas aproximadamente 70% das que obtiveram nota mil contemplaram a ‘alusão histórica’. A razão é bem simples: a alusão encanta o leitor, permite melhor contextualização e evita o temível ’branco’ durante a escrita”, conta o Professor Andrade.


14 - Citação de matérias escolares
Segundo o educador, outro ponto que costuma alavancar as notas da redação no Enem é a utilização de conhecimentos adquiridos em outras disciplinas escolares durante a elaboração do texto.


"Numa proposta que trate da questão do lixo, por exemplo, convém trazer Antonie Lavoisier, o pai da química moderna, que definiu que na natureza tudo se transforma. Já para o tema falta d’água, não deixe de apontar que para toda ação do homem há uma reação da natureza, o que sintetiza a terceira Lei do físico Isaac Newton", exemplificou.

  

15 - Tema não é assunto
Entender a diferença entre tema e assunto pode evitar o que os avaliadores classificam como “tangenciamento ao tema”, que nada mais é do que o desenvolvimento textual apenas nos limites do assunto, sem a abordagem do problema social temático, conforme explica Andrade.


"Assunto é o que se discute de forma ampla, genérica ou restrita. Já o tema deve ser considerado como sinônimo vulgar de 'problema de amplitude social'", explica. O docente deu exemplos de cada um. "Jogos Olímpicos" seria assunto e "A falta de estrutura durante os Jogos", tema.


quinta-feira, 2 de março de 2017

Redação Discursiva - Entendendo comandos

Muitas pessoas têm solicitado definições para "Questões Discursivas" mas não há uma fórmula certa, pois na produção de questões discursivas é fundamental que a construção se dê atendendo ao conjunto de informações solicitadas no enunciado – o problema – e de acordo com o verbochave – o comando – que define qual é o tipo de resposta que a banca examinadora espera do candidato.
É muito comum nas provas discursivas de História que os candidatos não respeitem as abrangências de cada questão em particular e construam suas respostas desrespeitando àquilo que lhe é requisitado por ela.
Tanto informações limitadas quanto em excesso podem prejudicar o candidato. Assim, o vestibulando deve fornecer a maior quantidade de informação possível dentro do limite imposto pela questão.
Veja algumas dicas:

�� NUNCA ESCREVA UMA DISCURSIVA EM TÓPICOS; FAÇA TEXTOS CORRIDOS COMO NUMA DISSERTAÇÃO;
�� NÃO ABREVIE OU UTILIZE GÍRIAS E VÍCIOS LINGÜÍSTICOS, COMO PRA, VC, POR EXEMPLO;
�� DÊ PREFERÊNCIA POR ESCREVER COM LETRA CURSIVA; QUANTO MAIS LEGÍVEL E LIMPO FOR SEU TEXTO MAIS PONTOS VOCÊ GANHA JUNTO À BANCA;
�� NÃO ESCREVA EM PRIMEIRA PESSOA, DEIXE, QUANDO NECESSÁRIO, SUA OPINIÃO
SUBTENDIDA NO CORPO TEXTUAL;
�� PROCURE ESCREVER COM CLAREZA E COESÃO SUA RESPOSTA, ERROS GRAMÁTICAIS DESCONTAM PONTOS VALIOSOS DE SUA PROVA;
�� DÊ O MAIOR NÚMERO DE INFORMAÇÕES POSSÍVEIS, MAS MUITO CUIDADO, RESPEITE OS LIMITES IMPOSTOS PELA QUESTÃO E SEMPRE PRIORIZE AS INFORMAÇÕES MAIS FUNDAMENTAIS E IMPORTANTES;
�� E NÃO SE ESQUEÇA: SÓ A PRÁTICA LEVA A PERFEIÇÃO! ESCREVER DIARIMENTE É DE SUMA IMPORTÂNCIA PARA QUEM PRESTA DISCURSIVA NA ÁREA DE HUMANAS.

Exemplo:

Tema: Explique qual era a formulação cultural que mantinha o trabalho servil tão estável na
Idade Média.

CONSTRUÇÃO DA RESPOSTA: para construirmos a resposta o primeiro passo é grifar o comando da questão. Após identifica-lo temos de perceber que problema a questão nos pede para resolver. Isso é um trabalho ora simples, ora complicado. Neste exemplo, o problema não está nítido, mas, interpretando o texto, com o auxílio de seus conhecimentos históricos, é possível verificar que o problema é resolver por que razão cultural os servos não se revoltaram contra o trabalho servil imposto pelos senhores feudais na Idade Média? Percebam que a questão define que recorte temático o candidato terá de enfocar dentro da matéria estudada. Assim não cabe ao vestibulando falar sobre qualquer coisa referente à Idade Média, fugir ao recorte temático, ao problema, mesmo dando informações a mais, é prejudicial ao aluno. Este deve demonstrar o maior conhecimento possível dentro das limitações impostas pela questão. Quando já sabemos qual é o comando e qual é o recorte, podemos iniciar a montagem da questão. O verbo explicar exige um aprofundamento muito grande e detalhado do recorte temático e, não é possível explicar algo sem explicar as origens. Assim, sempre que o comando for explicar a questão deverá seguir o seguinte molde:
�� 1° Período – APRESENTAR O CONTEXTO HISTÓRICO;
�� 2° Período – RESOLVER e/ou DISCUTIR O PROBLEMA QUE A QUESTÃO IMPÕE;
�� 3° Período – CONCLUIR APRESENTANDO AS CONSEQÜÊNCIAS E REPERCUSSÕES.

Atentar para os comandos é essencial para produzir um bom texto.Observe:

A competência para resolver questões discursivas exige do aluno a habilidade para tomar decisões diante das situações-problema propostas. A tomada de decisão refere-se ao julgamento ou interpretação, a partir de um conjunto de indicadores ou fatores presentes em uma determinada situação que implicam uma decisão (resolução da situação-problema).

Para analisar as competências, é possível identificá-las por meio da ação proposta, expressa por verbos, tais como: caracterizar, descrever, destacar, identificar, reconhecer, selecionar, situar e muitos outros. Ler o tema com atenção é essencial,pois alguns pedem para você "caracterizar",outros "analisar", "identificar" e,para isso vc precisa entender esses comandos,portanto atente para o significado de algumas destas ações propostas:

Caracterizar – Segundo o dicionário, caracterizar é “determinar o caráter de; assinalar, distinguir, indicar; descrever, notando as propriedades características; retratar, delinear ou representar um caráter”.

Descrever – Descrever, segundo o dicionário, é “fazer a descrição de; representar por meio de palavras; contar, expor minuciosamente; percorrer; traçar”.

Destacar – Destacar entre outros significados que o dicionário apresenta, é “separar (-se);/articular escandindo;/dar vulto ou relevo a;/por em destaque; fazer sobressair; salientar;/separar-se;/distinguir-se, sobrelevar, sobressair”.
Destacar é uma forma de abstração, ou seja, implica a identificação ou reconhecimento, em dado contexto ou domínio da experiência, dos elementos ou termos (relacionados a uma meta, objetivo ou referência), projetando-os e organizando-os em outro plano. Em um item, o que deve ser destacado no enunciado? Como aproveitar o que foi destacado como indicador ou indicadores para a tomada de decisão sobre a resposta correta?

Identificar – Segundo o dicionário, identificar quer dizer “tornar ou declarar idêntico; considerar duas coisas como idênticas, dando a uma o caráter da outra;/achar, estabelecer a identidade de;/tornar-se idêntico a outrem, assimilando-lhe as idéias e os sentimentos;/conformar-se, ajustar-se”.
É uma competência que implica tomar decisões, interpretar, no conjunto de possibilidades de expressão de uma dada coisa, tudo que emparelha, representa, ilustra, encaixa-se no termo que serve de referência.

Reconhecer – Segundo o dicionário, reconhecer é “conhecer de novo (o que se tinha conhecido noutro tempo);/conhecer a própria imagem, em fotografia ou no espelho;/identificar, distinguir por qualquer circunstância, modalidade ou faceta;/admitir, ter como bom, legítimo ou verdadeiro;/ficar convencido de; estar certo ou consciente de;/considerar como;/afirmar, declarar, confessar;/considerar como legal;/autenticar, endossar;/aceitar, dar gratificação ou recompensa a;mostrar-se agradecido por;/examinar, explorar; observar;/examinar a forma, o acesso, as condições de (uma posição)”.

Selecionar – Segundo o dicionário, selecionar é “fazer a seleção de; escolher de um número ou grupo, pela aptidão, qualidade ou qualquer outra característica;/encontrar e recuperar informação específica de uma base de dados;/num programa de pintura, definir uma área numa imagem, geralmente para que seja cortada ou receba um efeito especial”.
Tal como o reconhecer é um caso especial do identificar, selecionar é um caso especial do destacar. Ambos implicam um recurso à lógica das classes, no sentido de destacar ou selecionar supõe analisar um aspecto e julgar se pertence ou é pertinente ao que está sendo tomado como critério ou referência, ou seja, como base para a tomada de decisão.

Situar – Segundo o dicionário, situar é “colocar,por (no espaço ou no tempo); assentar, construir, edificar; designar lugar certo a; colocar-se”.

Analisar – Segundo o dicionário, analisar significa: “fazer a análise de ... .” Análise: operação intelectual que consiste em decompor um texto em seus elementos essenciais, para apreender suas relações e dar um esquema de conjunto ou ato de decompor uma mistura para separar seus constituintes.
Muitas provas propõem situações-problema em que analisar é uma tarefa fundamental para tomada de decisão. Essa análise, conforme o caso, se expressa como interpretação, outras vezes como discriminação ou reconhecimento de valores, ou, então como previsão ou proposição de formas de intervenção etc. Trata-se sempre de diferenciar algo em um contexto, integrando-o em outro, pois a análise possibilita a realização de julgamentos, base de inferências ou conclusões sobre o que esta sendo analisado.

Comparar – Segundo o dicionário, comparar consiste em “examinar simultaneamente duas ou mais coisas, para lhes determinar semelhança, diferença ou relação; confrontar;/cotejar;/ter como igual ou como semelhante”.

Relacionar – Segundo o dicionário, relacionar significa “fazer ou fornecer a relação de; arrolar, por em lista;/narrar, expor, descrever, referir;/comparar (coisas diferentes) para deduzir leis ou analogias;/fazer relações, conseguir amizades, travar conhecimento”.
O processo de relacionar exige ordenar, organizar e contextuar dados ou fatos que dê logicidade ao texto.

Contextualizar – Contextualizar ou contextuar significa “incluir ou intercalar em um texto”. Contexto significa o “encadeamento de idéias de um escrito, argumento ou composição”. Encadear significa “ligar com cadeia. Acorrentar, prender;/coordenar (idéias, argumentos etc.); concatenar;/tirar a ação ou o movimento a; cativar, sujeitar;/atrair, ligar por afeto; afeiçoar;/ formar série, ligar-se a outros;/fazer seguir na ordem natural”.
Contextuar corresponde a algo inclusivo, que liga, por exemplo, diferentes palavras e outros indicadores semânticos, compondo um frase, parágrafo ou texto. A proposta da questão é um convite para que leia o enunciado com cuidado, que interprete o que está sendo proposto. Que coordene as idéias, os argumentos apresentados e que interprete a pergunta ou o desafio que o enunciado faz. Além disso, propõe-se que o aluno articule com outras informações de seu conhecimento ou com outro texto e decida sobre o que expressar da melhor forma.

Ordenar – Segundo o dicionário, entre outros significados, ordenar é “colocar(-se), dispor(-se) em ordem; organizar(-se);/dar ordem, determinar, mandar que se faça algo;/resolver, decidir-se a;/aparelhar-se, dispor-se, preparar-se”.
Ordenar supõe tomar decisão de definir a posição de um termo em relação aos demais. Na lógica das relações de ordenação todos os termos estão incluídos e são definidos pelo lugar que ocupam em relação aos outros termos e ao critério que organiza, isto é, dá sentido e direção ao posicionamento definido pela ordenação.

Demonstrar – Demonstrar, como explica o dicionário, é “provar com um raciocínio convincente/descrever e explicar de maneira ordenada e pormenorizada, com auxílio de exemplos, espécimes ou experimentos;/indicar ou mostrar mediante sinais exteriores; manifestar;/dar (-se) a conhecer, revelar (-se).

Interpretar – Segundo o dicionário, interpretar, entre outros significados, é “aclarar, explicar o sentido de;/tirar de (alguma coisa) uma indução ou presságio;/ajuizar da intenção, do sentido de;/reproduzir ou exprimir a intenção ou o pensamento de”
Interpretar é dar sentido à experiência ou a uma situação proposta. Interpretar é avaliar, isto é, atribuir um valor (de sobrevivência biológica, social, cultural, etc.) ao objeto de interpretação. A interpretação apóia-se nos dados das experiências ou nos indicadores da situação proposta, que possibilitam a realização de inferências ou julgamentos que a expressam. Interpretar é, também, uma forma de generalizar, no sentido de sair de algo particular e organizá-la como algo geral ou destacado no contexto. A interpretação tem sempre uma base subjetiva, pois caracteriza uma tomada de decisão ou valor assumido por uma pessoa. Daí a importância de se definir os critérios ou regras para a interpretação, ou seja, de objetivar-se a interpretação.

Propor – Segundo o dicionário, propor é “apresentar para consideração, discussão ou solução;/apresentar ou oferecer para aceitação ou adoção;/expor a exame; submeter à apreciação;/ expor, referir, relatar;/indicar, lembrar, oferecer como alvitre; sugerir;/fazer o propósito de; prometer;/dar como norma ou regra;/fazer propósito; formar intento;/ ter em vista; ter intenção de; destinar-se a, dispor-se a;/ projetar, deliberar, projetar; prometer a si mesmo.”
Propor formas de intervenção é uma competência relacionada à ação de prever ou antecipar. Nesse sentido, a proposição busca a intervenção em uma realidade no sentido de melhorar, aperfeiçoar ou tornar possível a convivência com os fatores, por vezes insuperáveis, que a determinam. Trata-se de uma forma de proposição que decide ou corre riscos em favor de algo que corrige, melhora ou introduz algo importante para a pessoa, sociedade ou cultura.

Fundamentar - Fundamentar, segundo o dicionário, significa “lançar os fundamentos ou alicerces de;/assentar em bases sólidas; estabelecer, firmar;/documentar, justificar com provas ou razões;/ estar fundado, apoiar-se, basear-se”.
As tomadas de decisão no contexto de uma situação-problema exigem fundamentação. Por intermédio dela, podemos justificar nossas decisões, defender as razões que nos levaram a decidir pelo que decidimos. Por que agir dessa forma? Por que escolher essa resposta como contendo a justificativa correta? Como provar que a interpretação que demos do enunciado de um item é a melhor possível?

Adaptado de “Eixos cognitivos do Enem”. Ministério da Educação. INEP.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Como Escrever bem...

Paulo Sérgio disse: "Os grandes escritores possuem tal convívio e domínio da linguagem escrita como maneira de manifestação que não se preocupam mais em determinar as partes do texto que estão produzindo. A lógica da estruturação do texto vai determinando, simultaneamente, a distribuição das partes do texto, que deve conter começo, meio e fim.O aluno, todavia, não possui muito domínio das palavras ou orações; portanto, torna-se fundamental um cuidado especial para compor a redação em partes fundamentais. Alguns professores costumam determinar em seus manuais de redação outra nomenclatura para as três partes vitais de um texto escrito. Ao invés de começo, meio e fim, elas recebem os nomes de introdução, desenvolvimento e conclusão ou, ainda, início, desenvolvimento e fecho. Todos esses nomes referem-se aos mesmos elementos. Parece-nos que irrelevante o nome que cada pessoa atribui. O importante é que as pessoas saibam que elas devem existir em sua redação." O importante,seja qual for o conceito para se escrever bem é que o momento da escolha profissional é muito aguardado na vida dos jovens. Fazer a opção por uma carreira pode trazer muitas dúvidas e, por isso, é necessário fazer uma preparação antes do vestibular. Para aqueles que já decidiram, é hora de se concentrar para o processo seletivo.Os candidatos precisam se programar antecipadamente para o dia da prova. Uma das questões fundamentais é a pessoa estar bem informada para poder escrever bem.Sem informação não se chega a lugar algum,por isso atente,desde o inicio do ano letivo para a LEITURA, fundamental para qualquer vestibulando.