sexta-feira, 20 de março de 2015

Estrutura clássica de um texto dissertativo

Dissertação
1) Introdução adequada ao tema / posicionamento
Apresenta a idéia que vai ser discutida, a tese a ser defendida. Cabe à introdução situar o leitor a respeito da postura ideológica de quem o redige acerca de determinado assunto. Deve conter a tese e as generalidades que serão aprofundadas ao longo do desenvolvimento do texto. O importante é que a sua introdução seja completa e esteja em consonância com os critérios de paragrafação. Não misture idéias.
2) Desenvolvimento
Apresenta cada um dos argumentos ordenadamente, analisando detidamente as idéias e exemplificando de maneira rica e suficiente o pensamento. Nele, organizamos o pensamento em favor da tese. Cada parágrafo (e o texto) pode ser organizado de diferentes maneiras:
- Estabelecimento das relações de causa e efeito: motivos, razões, fundamentos, alicerces, os porquês/ conseqüências, efeitos, repercussões, reflexos;
- Estabelecimento de comparações e contrastes: diferenças e semelhanças entre elementos – de um lado, de outro lado,em contraste, ao contrário;
- Enumerações e exemplificações: indicação de fatores, funções ou elementos que esclarecem ou reforçam uma afirmação.
3) Fechamento do texto de forma coerente
Retoma ou reafirma todas as idéias apresentadas e discutidas no desenvolvimento, tomando uma posição acerca do problema, da tese. É também um momento de expansão, desde que se mantenha uma conexão lógica entre as idéias.

Desenvolvimento do Tema

1) Estabelecimento de conexões lógicas entre os argumentos.
Apresentação dos argumentos de forma ordenada, com análise detida das idéias e exemplificação de maneira rica e suficiente do pensamento. Para garantir as devidas conexões entre períodos, parágrafos e argumentos, empregar os elementos responsáveis pela coerência e unicidade, tais como operadores de seqüenciação, conectores, pronomes. Procurar garantir a unidade temática.
2) Objetividade de argumentação frente ao tema / posicionamento
O texto precisa ser articulado com base nas informações essenciais que desenvolverão o tema proposto. Dispensar as idéias excessivas e periféricas. Planejar previamente a redação definindo antecipadamente o que deve ser feito. Recorrer ao banco de idéias é um passo importante. Listar as idéias que lhe vier à cabeça sobre o tema.. Estabelecer a tese que será defendida. Selecionar cuidadosamente entre as idéias listadas, aquelas que delimitarão o tema e defenderão o seu posicionamento.
3) Estabelecimento de uma progressividade textual em relação à seqüência lógica do pensamento.
O texto deve apresentar coerência sequencial satisfatória. Quando se proceder à seleção dos argumentos no banco de idéias, deve-se classificá-los segundo a força para convencer o leitor, partindo dos menos fortes parta os mais fortes.
Uma dica para quem ainda encontra dificuldades é desenvolver um texto dissertativo a partir da elaboração de esquemas. Por mais simples que lhes pareça, a redação elaborada a partir de esquema permite-lhes desenvolver o texto com sequência lógica, de acordo com os critérios exigidos no comando da questão (número de linhas, por exemplo), atendendo aos aspectos mencionados no espelho de avaliação. A professora Branca Granatic oferece-nos a seguinte sugestão de esquema:
SUGESTÃO DE PRODUÇÃO DE TEXTO COM BASE EM ESQUEMASESQUEMA BÁSICO DA DISSERTAÇÃO
1º parágrafo: TEMA + argumento 1 + argumento 2 + argumento 3
2° parágrafo :desenvolvimento do argumento 1
3° parágrafo: desenvolvimento do argumento 2
4° parágrafo: desenvolvimento do argumento 3
5° parágrafo: expressão inicial + reafirmação do tema + observação final.
EXEMPLO:
TEMA: Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver graves problemas que preocupam a todos.
POR QUÊ?
*arg. 1: Existem populações imersas em completa miséria.
*arg. 2: A paz é interrompida freqüentemente por conflitos internacionais.*arg. 3: O meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico.

Texto definitivo

Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver os graves problemas que preocupam a todos, pois existem populações imersas em completa miséria, a paz é interrompida freqüentemente por conflitos internacionais e, além do mais, o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico.
Embora o planeta disponha de riquezas incalculáveis – estas, mal distribuídas, quer entre Estados, quer entre indivíduos – encontramos legiões de famintos em pontos específicos da Terra. Nos países do Terceiro Mundo, sobretudo em certas regiões da África, vemos com tristeza, a falência da solidariedade humana e da colaboração entre as nações.
Além disso, nesta últimas décadas, temos assistido, com certa preocupação, aos conflitos internacionais que se sucedem. Muitos trazem na memória a triste lembrança das guerras do Vietnã e da Coréia, as quais provocaram grande extermínio. Em nossos dias, testemunhamos conflitos na antiga Iugoslávia, em alguns membros da Comunidade dos Estados Independentes, sem falar da Guerra do Golfo, que tanta apreensão nos causou.
Outra preocupação constante é o desequilíbrio ecológico, provocado pela ambição desmedida de alguns, que promovem desmatamentos desordenados e poluem as águas dos rios. Tais atitudes contribuem para que o meio ambiente, em virtude de tantas agressões, acabe por se transformar em local inabitável.
Em virtude dos fatos mencionados, somos levados a acreditar que o homem está muito longe de solucionar os graves problemas que afligem diretamente uma grande parcela da humanidade e indiretamente a qualquer pessoa consciente e solidária. É desejo de todos nós que algo seja feito no sentido de conter essas forças ameaçadoras, para podermos suportar as adversidades e construir um mundo que, por ser justo e pacífico, será mais facilmente habitado pelas gerações vindouras.
Observe:
Se vocês seguirem a orientação dada pelo esquema, desde o 1º parágrafo, verão que não há como se perder na redação, nem fazer a introdução maior que o desenvolvimento, já que a introdução apresenta, de forma embrionária, o que será desenvolvido no corpo do texto. E lembre-se de que a conclusão sempre retoma a idéia apresentada na introdução, reafirmando-a, apresentando propostas, soluções para o caso apresentado. Com essa noção clara, de estrutura de texto, também é possível melhorar o seu desempenho nas provas de compreensão e interpretação de textos.
Eliminação do candidato:
Seu texto poderá ser desconsiderado nas seguintes situações:
- ultrapassagem do limite máximo de linhas ou inferior ao mínimo estabelecido;
- ausência de texto: quando o candidato não faz seu texto na FOLHA PARA O TEXTO DEFINITIVO.
- fuga total ao tema: analise cuidadosamente a proposta apresentada. Estruture seu texto em conformidade com as orientações explicitadas no caderno da prova discursiva.
- registros indevidos: anotações do tipo “fim” , “the end”, “O senhor é meu pastor, nada me faltará” ou recados ao examinador, rubricas e desenhos.

"Conhecimento e leitura de mundo é a base para um bom texto"

domingo, 1 de março de 2015

A Gênese da Corrupção

Opinião: A gênese da corrupção

Do Jornal Eletrônico Gente de Opinião
* Antonio Almeida
Quando se tenta falar sobre corrupção, no sentido “lato” da palavra ou na sua forma etimológica do vocábulo, não tem como não se deparar como sendo a quebra de um estado funcional e organizado, com a participação humana, de forma direta ou indireta, podendo se manifestar de diversas maneiras, a partir de um suborno, intimidação, ameaça, chantagem, extorsão e abuso de poder econômico.
              
               A famosa mala preta para  transportar os frutos da corrupção.

O vocábulo corrupção vem do latim, com a forma corruptus, que traduz a quebra de pedaço, enquanto o verbo corromper tem o significado de se tornar pútrido, podre, estragado.
Para estudos formais e bibliográficos, a corrupção pode ser definida como a tomada do poder ou da autoridade e através deste instrumento obter vantagens pessoais ou fazer uso do erário público para construir patrimônio particular, beneficiar familiares, amigos, pessoas de seu círculo de trabalho, de negócios e de amizades, em detrimento de outros.

Hoje, em nossos dias de maior incidência de corrupção, a cobrança de propina (dinheiro) está arraigado nos hábitos do serviço público, em quase todos os níveis, como justificativas comuns “para agilizar os trâmites burocráticos e administrativos”, reduzir e perdoar multas e mesmo para desenterrar processos ou até para cortar a fila para análise de documentos, dar parecer em processos e, posterior, efetivação de seus respectivos pagamentos.

A corrupção se apresenta com diversos disfarces e pode ter as seguintes caras e interfaces: suborno; extorsão; fisiologismo; nepotismo; clientelismo; corrupção ativa, corrupção passiva e peculato, dentre outros, passando pelo bulling na educação, profissional-empresarial, administrativo, jurídico, sexual e podendo, até, incluir neste contexto, o contrabando de recursos naturais renováveis e não renováveis, produtos in natura, manufaturado, a biopirataria de animais e vegetais oriundos da biodiversidade, do tráfico de seres humanos para exploração sexual, para comercialização de órgãos humanos para o transporte e a realização do narcotráfico, em níveis nacional e internacional, em diversas formas.

A corrupção sempre favorece e beneficia uma camada social imediatamente superior, em detrimento dos segmentos sociais inferiores, afetando diretamente os mais pobres, quase sempre deixando sequelas incicatrizáveis como se pode ilustrar:
  • sempre que se elege um político corrupto, este coloca seus amigos  nos cargos de confiança e a roubalheira ocorre, a quatro mãos, e toda a população sofre as consequências, com sequelas em todos os níveis sociais;
     
  • toda vez que a empreiteira superfatura a construção do prédio da escola, o aluno fica fora da sala de aula e, depois, dentro dos presídios;
     
  • quando uma obra é paga e, logo em seguida, é paralisada algo deve ter acontecido — ou os políticos receberam propinas e o empreiteiro ficou descapitalizado — aí é quando a empreiteira, normalmente, solicita um termo aditivo para a conclusão dos serviços contratados e, quando isto não acontece, ou a obra permanece inacabada, em detrimento da população ou o Poder Público faz uma nova licitação, implicando em custos adicionais e o bolso da população é quem paga a conta, exceto em casos muito raros;
     
  • sempre que o empresário  superfatura o preço da merenda escolar para dar propina ao político, uma centena de milhares de crianças ficam sem alimentação e passa a ocorrer a desnutrição acentuada e com baixo rendimento escolar;
     
  • quando o livreiro superfatura o preço do livro escolar para pagar a propina do político, o nível do ensino perde a qualidade e o resultado é a alta repetência, o baixo nível de aprendizado e o abrupto índice de deserção nas escolas;
     
  • quando o executivo da saúde superfatura o preço do remédio e do serviços de transporte da rede pública, o paciente enfermo fica sem leito, sem assistência médica, sem medicamento e fica jogado no corredor do hospital.
Nos países ditos democráticos, como é o caso do Brasil, o método de corrupção mais próximo ao cidadão comum é aquele praticado com os instrumentos utilizados por meios políticos, na própria elaboração das leis que deixam brechas, como mecanismos que possibilitam a materialização das licitações fraudulentas e de transações comerciais, nas contratações de aquisição de bens e de serviços  quase sempre com superfaturamentos.

A modernidade globalizada chegou com muita velocidade aos nossos dias e teve a capacidade de se tecnificar, utilizando-se de mecanismos sofistificados, executados com eficiência e eficácia, planejados e praticados em conjunto com uma gama de tecnologia disponivel no mercado — sob o dominio dos hackers, individuos que elaboram e modificam software e hardware de computadores —,  ao alcance da mão, e capaz de praticar verdadeiros furtos e assaltos cibernéticos e presenciais, bilionários, através da ‘competência” de um cérebro treinado e trabalhado para o exercício de façanhas inimagináveis e, até então, impossíveis de serem executadas.

Atualmente existe o Índice de Percepções de Corrupção e este método pode ser publicado anualmente pela Transparência Internacional que mede a percepção da corrupção política em vários países do mundo.
De acordo com esta entidade criada “O Índice de Percepções de Corrupção” o  método empregado faz  a avaliação e podem ser utilizados questionários  com números que variam de 0 a 10, informando que não existe pais com corrupção zero e nem corrupção perfeita de 100%, e identificaram a Finlândia alcançando a  nota máxima de 9,7 e ocupa o 1º lugar no ranking mundial, enquanto o  Brasil atingiu o 54° lugar na classificação, com coeficiente de 3,9 quando sua margem de confiança é de 37-41%.

O Governador Confúcio Moura plotou neste 1 de julho de 2011, no BLOG DO CONFÚCIO, que ele está tentando estudar o mundo da tecnologia da informação para inventar um aparelho para ler o pensamento: o PENSAMENTÔMETRO e o outro aparelho que já está quase pronto: o MENTIRÔMETRO e avisou que oBill GATES — que se cuide, embora sabendo que a fortuna do homem da Microsoft é de     U$ 59 bilhões de dólares.

Eu, Antônio de Almeida, em ESPINHA NA GARGANTA, após ler as notícias sobre corrupção, nos últimos dias em Porto Velho, e escrever esta matéria sobre A GÊNESE DA CORRUPÇÃO, estou anunciando, também, em primeira mão, que vou me tornar um próspero inventor de um aparelho com o nome de CORRUPTÕMETRO, capaz de medir, com exatidão, quantos milhões de reais ou quantas notas verdinhas de U$ 100 dólares aquele cidadão, corrupto e honesto, identificado por esta máquina desviou dos cofres públicos para os paraísos fiscais ou estão investidos em empresas e imóveis, com as propinas recebidas das empreiteiras e dos demais serviços prestados, com uma simples entrevista.

Este aparelho já irá nascer patenteado ai, sim, em vou superar a fortuna de Carlos SLIM, o homem das Telecomunicações – AMÉRICA MOVIL, incluindo aClaro Telefonia e o Jornal The New York Time – com uma fortuna avaliada de 74 bilhões de dólares, considerado pela Revista Forbes, no Ranking de 2011, como o homem mais rico do mundo.
Qual seria a maneira mais rápida de se tornar o homem mais rico do mundo?
  1. Com a patente do CORRUPTÔMETRO?
  2. Cobrar 50% das propinas dos corruptos identificados?
  3. Produzir réplicas do CORRUPTÕMETRO para comercializar?
  4.  
Façam seus comentários e mandem suas respostas.           
Tenham uma boa leitura e uma ótima reflexão.
 Para contrapor as nossas posições, o (a) eleitor (a) ou o (a) leitor (a) pode utilizar os seguintes contatos:
Twitter: @aasalmeida
Celular: (69) 8111-9492 e (69) 8446-1730
*Antônio de Almeida Sobrinho é Engenharo de Pesca e

Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Como Escrever bem...

Paulo Sérgio disse: "Os grandes escritores possuem tal convívio e domínio da linguagem escrita como maneira de manifestação que não se preocupam mais em determinar as partes do texto que estão produzindo. A lógica da estruturação do texto vai determinando, simultaneamente, a distribuição das partes do texto, que deve conter começo, meio e fim.O aluno, todavia, não possui muito domínio das palavras ou orações; portanto, torna-se fundamental um cuidado especial para compor a redação em partes fundamentais. Alguns professores costumam determinar em seus manuais de redação outra nomenclatura para as três partes vitais de um texto escrito. Ao invés de começo, meio e fim, elas recebem os nomes de introdução, desenvolvimento e conclusão ou, ainda, início, desenvolvimento e fecho. Todos esses nomes referem-se aos mesmos elementos. Parece-nos que irrelevante o nome que cada pessoa atribui. O importante é que as pessoas saibam que elas devem existir em sua redação." O importante,seja qual for o conceito para se escrever bem é que o momento da escolha profissional é muito aguardado na vida dos jovens. Fazer a opção por uma carreira pode trazer muitas dúvidas e, por isso, é necessário fazer uma preparação antes do vestibular. Para aqueles que já decidiram, é hora de se concentrar para o processo seletivo.Os candidatos precisam se programar antecipadamente para o dia da prova. Uma das questões fundamentais é a pessoa estar bem informada para poder escrever bem.Sem informação não se chega a lugar algum,por isso atente,desde o inicio do ano letivo para a LEITURA, fundamental para qualquer vestibulando.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

REDAÇÃO DISCURSIVA

Na questão discursiva o candidato deverá produzir um parágrafo, com base no solicitado pela questão, com extensão mínima de oito linhas, efetivamente escritas, e máxima de dez linhas, que estabeleça relações de causa e conseqüência, comparação e contraste, oposição e comparação, citação, explicação, conclusão, exemplificação, análise, justificativa e outras modalidades, primando pela coerência e pela coesão. normas de registro formal culto da língua.

As questões não costumam ser muito complexas e cobram mais a capacidade de interpretar textos e de produzir uma respostaNeste tipo de produção textual avalia-se a capacidade de expressão na modalidade escrita e o uso das própria. Procura-se saber se o estudante é capaz de processar informações.Se o candidato entender bem o que foi perguntado e souber elaborar a resposta, ele vai ter um bom desempenho.

eXEMPLO:

TEMA:TELECOMUNICAÇÕES
A Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) foi a segunda reguladora a ser criada no país e a primeira a ser instalada. Ela foi concebida para viabilizar o atual modelo de telecomunicações brasileiras, sendo dotada de inovadora personalidade institucional.A composição de sua direção favorece a transparência, a tomada de decisões de seus membros e evita personalismos. Já as suas características permitem dar respostas rápidas a questões operacionais, estruturais e administrativas, sendo as suas atividades apoiadas nos princípios da universalização e da competição.
Considerando que o texto acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto dissertativo acerca do seguinte tema.


O PAPEL DA ANATEL NA SOCIEDADE BRASILEIRA

Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:
natureza jurídica da ANATEL;
características da natureza jurídica da ANATEL;
pelo menos três atribuições da ANATEL


"A natureza jurídica da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) é de uma autarquia em regime especial. Sendo a natureza jurídica da Agência classificada dessa forma, a ANATEL possui algumas características que diferem de autarquias comuns: autonomia administrativa e financeira e ausência de hierarquia em relação ao Ministério ao qual ela está vinculada (no caso da ANATEL, ao Ministério das Comunicações). Essas características permitem à Agência maior autonomia para que ela possa agir com mais eficiência e eficácia no setor que ela regula (Setor de Telecomunicações), dando respostas rápidas a questões operacionais, estruturais e administrativas.Dentre algumas atribuições da ANATEL, encontram-se a delegação de serviços de telecomunicações (concessão, permissão e autorização) a empresas que queiram atuar no setor; aplicações de sanções para as que estejam delegadas a oferecer serviços públicos e manter políticas para criar maior competitividade no mercado de telecomunicações." (Rogério Araujo)

Outros exemplos:

Tema:A Educação tem sido prioridade nas discussões políticas bem como na sociedade como um todo.As escolas de ensino médio não sabem o que fazer com a diversidade de seus alunos.O dilema mais grave fica em preparar o aluno para o trabalho ou para um curso superior,objetivos estes que competem seriamente.Redija um texto discursivo expondo seu ponto de vista com argumentos coerentes.
"A educação e seus problemas são um dos temas mais discutidos em um todo.Sabe-se que a maioria das escolas de Ensino Médio enfrentam uma divergência.Estas Instituições de ensino precisam escolher entre facilitar o ingresso em curso superior ou preparar seus alunos para o mercado de trabalho.É fato que aquelas que optam por metas acadêmicas obtém, melhores resultados.Exemplo disso,é a EEEFM Prof.João Bento da Costa,localizada na capital do estado de Rondônia,Porto Velho.Reconhecida estadualmente,quiçá nacionalmente,pelo projeto “Terceirão” a escola busca familiarizar os estudantes do terceiro ano com o dia a dia acadêmico.Isso ocasiona uma maior comodidade ao ingressar em uma Universidade.Além disso,há uma equipe de professores que tem sua carga horária aumentada para poder ministrar aulas em plenos finais de semana e feriados.Com isso.é visto uma elevação nos índices de aprendizado e um número maior de estudantes que ingressaram em uma faculdade.Tal método de ensino deveria ser aplicado nas demais escolas de ensino médio.Se aplicado,os resultados poderiam satisfazer o que tanto se busca quando se fala em educação: qualidade de ensino para todos."

TEMA: As pesquisas com células troncos embrionárias encontram-se proibidas no Brasil sob o argumento de que vão contra dois princípios constitucionais: o de que a vida é inviolável e o que garante a dignidade da pessoa.A Lei brasileira de Biossegurança aprovada em 2005 pelo Congresso Nacional – que autoriza o uso em pesquisas de embriões congelados há mais de três anos – está em discussão no STF(Superior Tribunal Federal),o qual deverá dar seu parecer final nos próximos dias.Redija um texto discursivo argumentativo,posicionando-se de forma coerente.

"As pesquisas com células-tronco embrionárias estampa as páginas de revistas e jornais num momento oportuno,em que se discute,no STF o direito ou não à pesquisa e ao uso dessa tecnologia no Brasil.Podemos afirmar que a Lei de Biossegurança em questão não fere os princípios constitucionais pois a constituição protege o nascituro e a pessoa,isto é,a criança que aguarda o nascimento no ventre da mãe,ou seja,ao adquirir a personalidade jurídica,segundo o código civil.No entanto essas pesquisas causam polêmica,visto que a liberação no Brasil vai de encontro aos princípios religiosos da Igreja Católica que alegam vida na célula embrionária, mas devemos levar em conta que esses embriões permaneceriam congelados indefinidamente ou seriam jogados ao lixo devido ao tempo de congelamento e ao fato dos pais não se dispuserem a fazer a implantação.Então porque não libera-los para pesquisas,visto que isso nos permitirá acompanhar os países de primeiro mundo na busca incansável da cura de doenças degenerativas.Sabe-se que outras pesquisas com células adultas vêm sendo testadas mas nada que possa atingir a todos os tecidos do corpo como se pretende com as células embrionárias que a curto,médio ou longo prazo poderão resultar em grandes benefícios a um maior número de pessoas."


TEMA: Thomas Malthus previu no séc.XVIII que no futuro não haveria comida em quantidade suficiente para todos.O aumento do consumo na China,Índia e no Brasil provocaram nos últimos tempos uma mudança do padrão de consumo suficiente para uma alteração significativa na economia global. Comente através de um texto discursivo as causas que levaram a esse aumento de consumo e as possíveis soluções.
“No século XVIII Thomas Malthus previu que no futuro não haveria comida suficiente para todos,mas o que se viu desde então,foi um avanço na produção incentivada pela segunda Revolução Industrial.Novas técnicas de produção e novos produtos foram criados derrubando a previsão de Malthus.No entanto,agora,em plena era tecnológica,com a revolução científica essa previsão pode vir a ser realidade,pois presenciamos nas últimas semanas de abril 2008 o início de uma crise mundial dos alimentos,ocasionada em partes pelo aumento da população e de seu poder aquisitivo e também pela produção de determinados alimentos estarem em baixa.Por isso a principal medida a ser adotada seria incentivar a produção de alimentos no campo e buscar novas tecnologias de produção já que impedir a população de consumir e de ascender de padrão social é crime contra os Direitos Humanos.”


Obs.: A folha de texto definitivo não poderá conter rasuras e será o único documento válido para a correção da prova discursiva.

VEJA MAIS EXEMPLOS NO LINK:


https://sites.google.com/site/escrevendoredacao/produzindo-texto

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Redação Discursiva - Entendendo comandos

Muitas pessoas têm solicitado definições para "Questões Discursivas" mas não há uma fórmula certa, pois na produção de questões discursivas é fundamental que a construção se dê atendendo ao conjunto de informações solicitadas no enunciado – o problema – e de acordo com o verbochave – o comando – que define qual é o tipo de resposta que a banca examinadora espera do candidato.
É muito comum nas provas discursivas de História que os candidatos não respeitem as abrangências de cada questão em particular e construam suas respostas desrespeitando àquilo que lhe é requisitado por ela.
Tanto informações limitadas quanto em excesso podem prejudicar o candidato. Assim, o vestibulando deve fornecer a maior quantidade de informação possível dentro do limite imposto pela questão.
Veja algumas dicas:

�� NUNCA ESCREVA UMA DISCURSIVA EM TÓPICOS; FAÇA TEXTOS CORRIDOS COMO NUMA DISSERTAÇÃO;
�� NÃO ABREVIE OU UTILIZE GÍRIAS E VÍCIOS LINGÜÍSTICOS, COMO PRA, VC, POR EXEMPLO;
�� DÊ PREFERÊNCIA POR ESCREVER COM LETRA CURSIVA; QUANTO MAIS LEGÍVEL E LIMPO FOR SEU TEXTO MAIS PONTOS VOCÊ GANHA JUNTO À BANCA;
�� NÃO ESCREVA EM PRIMEIRA PESSOA, DEIXE, QUANDO NECESSÁRIO, SUA OPINIÃO
SUBTENDIDA NO CORPO TEXTUAL;
�� PROCURE ESCREVER COM CLAREZA E COESÃO SUA RESPOSTA, ERROS GRAMÁTICAIS DESCONTAM PONTOS VALIOSOS DE SUA PROVA;
�� DÊ O MAIOR NÚMERO DE INFORMAÇÕES POSSÍVEIS, MAS MUITO CUIDADO, RESPEITE OS LIMITES IMPOSTOS PELA QUESTÃO E SEMPRE PRIORIZE AS INFORMAÇÕES MAIS FUNDAMENTAIS E IMPORTANTES;
�� E NÃO SE ESQUEÇA: SÓ A PRÁTICA LEVA A PERFEIÇÃO! ESCREVER DIARIMENTE É DE SUMA IMPORTÂNCIA PARA QUEM PRESTA DISCURSIVA NA ÁREA DE HUMANAS.

Exemplo:

Tema: Explique qual era a formulação cultural que mantinha o trabalho servil tão estável na
Idade Média.

CONSTRUÇÃO DA RESPOSTA: para construirmos a resposta o primeiro passo é grifar o comando da questão. Após identifica-lo temos de perceber que problema a questão nos pede para resolver. Isso é um trabalho ora simples, ora complicado. Neste exemplo, o problema não está nítido, mas, interpretando o texto, com o auxílio de seus conhecimentos históricos, é possível verificar que o problema é resolver por que razão cultural os servos não se revoltaram contra o trabalho servil imposto pelos senhores feudais na Idade Média? Percebam que a questão define que recorte temático o candidato terá de enfocar dentro da matéria estudada. Assim não cabe ao vestibulando falar sobre qualquer coisa referente à Idade Média, fugir ao recorte temático, ao problema, mesmo dando informações a mais, é prejudicial ao aluno. Este deve demonstrar o maior conhecimento possível dentro das limitações impostas pela questão. Quando já sabemos qual é o comando e qual é o recorte, podemos iniciar a montagem da questão. O verbo explicar exige um aprofundamento muito grande e detalhado do recorte temático e, não é possível explicar algo sem explicar as origens. Assim, sempre que o comando for explicar a questão deverá seguir o seguinte molde:
�� 1° Período – APRESENTAR O CONTEXTO HISTÓRICO;
�� 2° Período – RESOLVER e/ou DISCUTIR O PROBLEMA QUE A QUESTÃO IMPÕE;
�� 3° Período – CONCLUIR APRESENTANDO AS CONSEQÜÊNCIAS E REPERCUSSÕES.

Atentar para os comandos é essencial para produzir um bom texto.Observe:

A competência para resolver questões discursivas exige do aluno a habilidade para tomar decisões diante das situações-problema propostas. A tomada de decisão refere-se ao julgamento ou interpretação, a partir de um conjunto de indicadores ou fatores presentes em uma determinada situação que implicam uma decisão (resolução da situação-problema).

Para analisar as competências, é possível identificá-las por meio da ação proposta, expressa por verbos, tais como: caracterizar, descrever, destacar, identificar, reconhecer, selecionar, situar e muitos outros. Ler o tema com atenção é essencial,pois alguns pedem para você "caracterizar",outros "analisar", "identificar" e,para isso vc precisa entender esses comandos,portanto atente para o significado de algumas destas ações propostas:

Caracterizar – Segundo o dicionário, caracterizar é “determinar o caráter de; assinalar, distinguir, indicar; descrever, notando as propriedades características; retratar, delinear ou representar um caráter”.

Descrever – Descrever, segundo o dicionário, é “fazer a descrição de; representar por meio de palavras; contar, expor minuciosamente; percorrer; traçar”.

Destacar – Destacar entre outros significados que o dicionário apresenta, é “separar (-se);/articular escandindo;/dar vulto ou relevo a;/por em destaque; fazer sobressair; salientar;/separar-se;/distinguir-se, sobrelevar, sobressair”.
Destacar é uma forma de abstração, ou seja, implica a identificação ou reconhecimento, em dado contexto ou domínio da experiência, dos elementos ou termos (relacionados a uma meta, objetivo ou referência), projetando-os e organizando-os em outro plano. Em um item, o que deve ser destacado no enunciado? Como aproveitar o que foi destacado como indicador ou indicadores para a tomada de decisão sobre a resposta correta?

Identificar – Segundo o dicionário, identificar quer dizer “tornar ou declarar idêntico; considerar duas coisas como idênticas, dando a uma o caráter da outra;/achar, estabelecer a identidade de;/tornar-se idêntico a outrem, assimilando-lhe as idéias e os sentimentos;/conformar-se, ajustar-se”.
É uma competência que implica tomar decisões, interpretar, no conjunto de possibilidades de expressão de uma dada coisa, tudo que emparelha, representa, ilustra, encaixa-se no termo que serve de referência.

Reconhecer – Segundo o dicionário, reconhecer é “conhecer de novo (o que se tinha conhecido noutro tempo);/conhecer a própria imagem, em fotografia ou no espelho;/identificar, distinguir por qualquer circunstância, modalidade ou faceta;/admitir, ter como bom, legítimo ou verdadeiro;/ficar convencido de; estar certo ou consciente de;/considerar como;/afirmar, declarar, confessar;/considerar como legal;/autenticar, endossar;/aceitar, dar gratificação ou recompensa a;mostrar-se agradecido por;/examinar, explorar; observar;/examinar a forma, o acesso, as condições de (uma posição)”.

Selecionar – Segundo o dicionário, selecionar é “fazer a seleção de; escolher de um número ou grupo, pela aptidão, qualidade ou qualquer outra característica;/encontrar e recuperar informação específica de uma base de dados;/num programa de pintura, definir uma área numa imagem, geralmente para que seja cortada ou receba um efeito especial”.
Tal como o reconhecer é um caso especial do identificar, selecionar é um caso especial do destacar. Ambos implicam um recurso à lógica das classes, no sentido de destacar ou selecionar supõe analisar um aspecto e julgar se pertence ou é pertinente ao que está sendo tomado como critério ou referência, ou seja, como base para a tomada de decisão.

Situar – Segundo o dicionário, situar é “colocar,por (no espaço ou no tempo); assentar, construir, edificar; designar lugar certo a; colocar-se”.

Analisar – Segundo o dicionário, analisar significa: “fazer a análise de ... .” Análise: operação intelectual que consiste em decompor um texto em seus elementos essenciais, para apreender suas relações e dar um esquema de conjunto ou ato de decompor uma mistura para separar seus constituintes.
Muitas provas propõem situações-problema em que analisar é uma tarefa fundamental para tomada de decisão. Essa análise, conforme o caso, se expressa como interpretação, outras vezes como discriminação ou reconhecimento de valores, ou, então como previsão ou proposição de formas de intervenção etc. Trata-se sempre de diferenciar algo em um contexto, integrando-o em outro, pois a análise possibilita a realização de julgamentos, base de inferências ou conclusões sobre o que esta sendo analisado.

Comparar – Segundo o dicionário, comparar consiste em “examinar simultaneamente duas ou mais coisas, para lhes determinar semelhança, diferença ou relação; confrontar;/cotejar;/ter como igual ou como semelhante”.

Relacionar – Segundo o dicionário, relacionar significa “fazer ou fornecer a relação de; arrolar, por em lista;/narrar, expor, descrever, referir;/comparar (coisas diferentes) para deduzir leis ou analogias;/fazer relações, conseguir amizades, travar conhecimento”.
O processo de relacionar exige ordenar, organizar e contextuar dados ou fatos que dê logicidade ao texto.

Contextualizar – Contextualizar ou contextuar significa “incluir ou intercalar em um texto”. Contexto significa o “encadeamento de idéias de um escrito, argumento ou composição”. Encadear significa “ligar com cadeia. Acorrentar, prender;/coordenar (idéias, argumentos etc.); concatenar;/tirar a ação ou o movimento a; cativar, sujeitar;/atrair, ligar por afeto; afeiçoar;/ formar série, ligar-se a outros;/fazer seguir na ordem natural”.
Contextuar corresponde a algo inclusivo, que liga, por exemplo, diferentes palavras e outros indicadores semânticos, compondo um frase, parágrafo ou texto. A proposta da questão é um convite para que leia o enunciado com cuidado, que interprete o que está sendo proposto. Que coordene as idéias, os argumentos apresentados e que interprete a pergunta ou o desafio que o enunciado faz. Além disso, propõe-se que o aluno articule com outras informações de seu conhecimento ou com outro texto e decida sobre o que expressar da melhor forma.

Ordenar – Segundo o dicionário, entre outros significados, ordenar é “colocar(-se), dispor(-se) em ordem; organizar(-se);/dar ordem, determinar, mandar que se faça algo;/resolver, decidir-se a;/aparelhar-se, dispor-se, preparar-se”.
Ordenar supõe tomar decisão de definir a posição de um termo em relação aos demais. Na lógica das relações de ordenação todos os termos estão incluídos e são definidos pelo lugar que ocupam em relação aos outros termos e ao critério que organiza, isto é, dá sentido e direção ao posicionamento definido pela ordenação.

Demonstrar – Demonstrar, como explica o dicionário, é “provar com um raciocínio convincente/descrever e explicar de maneira ordenada e pormenorizada, com auxílio de exemplos, espécimes ou experimentos;/indicar ou mostrar mediante sinais exteriores; manifestar;/dar (-se) a conhecer, revelar (-se).

Interpretar – Segundo o dicionário, interpretar, entre outros significados, é “aclarar, explicar o sentido de;/tirar de (alguma coisa) uma indução ou presságio;/ajuizar da intenção, do sentido de;/reproduzir ou exprimir a intenção ou o pensamento de”
Interpretar é dar sentido à experiência ou a uma situação proposta. Interpretar é avaliar, isto é, atribuir um valor (de sobrevivência biológica, social, cultural, etc.) ao objeto de interpretação. A interpretação apóia-se nos dados das experiências ou nos indicadores da situação proposta, que possibilitam a realização de inferências ou julgamentos que a expressam. Interpretar é, também, uma forma de generalizar, no sentido de sair de algo particular e organizá-la como algo geral ou destacado no contexto. A interpretação tem sempre uma base subjetiva, pois caracteriza uma tomada de decisão ou valor assumido por uma pessoa. Daí a importância de se definir os critérios ou regras para a interpretação, ou seja, de objetivar-se a interpretação.

Propor – Segundo o dicionário, propor é “apresentar para consideração, discussão ou solução;/apresentar ou oferecer para aceitação ou adoção;/expor a exame; submeter à apreciação;/ expor, referir, relatar;/indicar, lembrar, oferecer como alvitre; sugerir;/fazer o propósito de; prometer;/dar como norma ou regra;/fazer propósito; formar intento;/ ter em vista; ter intenção de; destinar-se a, dispor-se a;/ projetar, deliberar, projetar; prometer a si mesmo.”
Propor formas de intervenção é uma competência relacionada à ação de prever ou antecipar. Nesse sentido, a proposição busca a intervenção em uma realidade no sentido de melhorar, aperfeiçoar ou tornar possível a convivência com os fatores, por vezes insuperáveis, que a determinam. Trata-se de uma forma de proposição que decide ou corre riscos em favor de algo que corrige, melhora ou introduz algo importante para a pessoa, sociedade ou cultura.

Fundamentar - Fundamentar, segundo o dicionário, significa “lançar os fundamentos ou alicerces de;/assentar em bases sólidas; estabelecer, firmar;/documentar, justificar com provas ou razões;/ estar fundado, apoiar-se, basear-se”.
As tomadas de decisão no contexto de uma situação-problema exigem fundamentação. Por intermédio dela, podemos justificar nossas decisões, defender as razões que nos levaram a decidir pelo que decidimos. Por que agir dessa forma? Por que escolher essa resposta como contendo a justificativa correta? Como provar que a interpretação que demos do enunciado de um item é a melhor possível?

Adaptado de “Eixos cognitivos do Enem”. Ministério da Educação. INEP.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Vidas Secas - Resumo por capítulos e os outros livros vestibular 2012/UNIR


 VIDAS SECAS
    
      1. Mudança
      Começando o livro, o narrador coloca diante do leitor o primeiro quadro:
      a) uma tomada à distância: a família no ambiente da seca.
      b) a caracterização de cada membro da família pelas suas atitudes. 

      2. Fabiano
      O narrador mostra a desintegração progressiva de Fabiano:
      a) Fabiano e a vida
      b) Fabiano e a seca
      c) Fabiano, a família e a seca. 

      3. Cadeia
      Continua o narrador a mostrar Fabiano diante da sociedade. Ele vai comprar querosene: está com água. Vai comprar chita: é cara. É levado ao jogo, não sabe se comunicar, e é preso. 

      4. Sinhá Vitória
      A apresentação de Sinhá Vitória é semelhante à de Fabiano. Aparece a sua dificuldade de relacionamento com os meninos, com a Baleia, com Fabiano. Sua aspiração: ter uma cama.

      5. Menino mais novo
      Quer espantar o irmão e Baleia. Observa o pai montar a égua. Fabiano cai, de pé. Ele vibra. Sinhá fica indiferente diante da façanha do pai, ele não se conforma com a indiferença da mãe. Tenta se comunicar com o pai, mas não consegue, fica chateado. A Baleia dormia. Foi tentar conversar com a mãe, levou um cascudo. Dorme, Sonha com um mundo adulto. No dia seguinte tenta montar o bode, mas sai sem honra da façanha. Cai, leva coices. 

      6. Menino mais velho
      Quer saber o que seja inferno. Sinhá Vitória fala em espetos quentes, fogueiras. Ele lhe perguntou se vira. A mãe zanga-se, achou-o insolente e aplicou-lhe um cocorote. Baleia era o único vivente que lhe mostra simpatia. 

      7. Inverno
      Família reunida em torna do fogo. Não havia conversa, apenas grunhidos. Ninguém entende ninguém, já são poucos humanos. 

      8. Festa
      Iam à festa de Natal na cidade. Na cidade se vêem distantes da civilização. Fabiano não fala, mas admi-ra a loquacidade das pessoas da cidade. 

      9. Baleia
      A cachorra Baleia aparecera doente. Fabiano imaginara que ela estivesse com hidrofobia, e amarrara-lhes no pescoço um rosário de sabugo de milho queimado. Ela, de mal a pior. Resolvera matá-la. 

      10. Contas
      Fabiano diante do imposto e da injustiça do patrão Nascera com esse destino, ninguém era culpado por nascer com destino ruim. 

      11. O soldado amarelo
      Fabiano ia corcunda, parecia farejar o solo, quando encontrou o soldado amarelo. Lembrou-se do passado. Quis se vingar. Reviveu todo o passado. Pensou e repensou sua condição.
      O soldado, antes cheio de medo, vendo Fabiano acanalhado, ganha coragem, avançou, pisou firme, perguntou o caminho. E Fabiano tirou o chapéu de couro, curvou-se e ensinou o caminho ao soldado amarelo. “Governo é governo.” 

      12. O mundo coberto de penas
      Depois do inverno, de novo seca anunciada nas arribações. Fabiano luta contra a natureza, atira nas arribações. 

      13. Fuga
      O mesmo quadro do primeiro capítulo. No primeiro quadro os meninos se arrastavam atrás dos pais, neste os pais se arrastam atrás dos meninos. Os meninos corriam. Era o destino do Norte – O (nor)destino. 


ATENÇÃO GALERA TERCEIRÃO JBC !

PARA ENTENDER MELHOR A LEITURA DO  LIVRO ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA PEGUE SEU LIVRO E ESQUEMATIZE AS INFORMAÇÕES ABAIXO PARA MELHOR ENTENDIMENTO NA LEITURA ESCREVENDO NA FRENTE DE CADA PARTE O ASSUNTO PRINCIPAL.

05 PARTES:

  • Primeira parte: a “Fala Inicial”, o primeiro “Cenário” e os romances I — XX.(
    Focaliza o ambiente e os antecedentes que conduzem à Inconfidência )
  • Segunda parte: Romances XXI — XLVII.( Focaliza a trama e a frustração da Inconfidência Mineira. Revela "a marcha da conspiração, seu malogro e o prenuncio das desgraças" que se abaterão sobre os inconfidentes)
  • Terceira parte: Romances XLVIII — LXIV.( Focaliza a morte de Cláudio Manuel da Costa e de Tiradentes. Nessa parte, evoca-se o sacrifício de Tiradentes)
  • Quarta parte: Romances LXV — LXXX. (Focaliza o infortúnio de Tomás Antônio Gonzaga e de Alvarenga Peixoto. Uma passagem evocativa retoma o cenário em que viveu o poeta Tomás A. Gonzaga)
  • Quinta parte: Romances LXXXI — LXXXV,( Focaliza a presença de D. Maria I, vinte anos depois de ter lavrado a sentença que decretou a morte de Tiradentes e o degredo dos demais inconfidentes. Dona Maria, já louca, contempla a terra em que ocorreu o drama da Inconfidência) mais a Fala aos Inconfidentes Mortos.
  • NO GERAL:

 ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA de Cecília Meireles
- Modernismo do Brasil


O tema central como o próprio título indica, a Inconfidência ou Conjuração Mineira, episódio histórico ocorrido em 1789, que culminou com a morte de Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradentes) e como o degredo de outros tantos revoltosos. Dentro dessa centralização temática, teríamos a morte de Tiradentes como o núcleo. Entretanto, outros temas giram em torno dele. O aproveitamento histórico do episódio serviu para a autora trazer à tona outros assuntos, tais como a traição, a covardia, a ambição desmedida (gerada principalmente pela febre do ouro), a inveja, o medo, a coragem, a ousadia, a loucura, a corrupção, e, por que não, o amor. A traição e a covardia ficam por conta daqueles que, movidos por interesse econômico (Joaquim Silvério dos Reis) ou por medo das ações do governador de Minas, delataram os inconfidentes. Muitos desse delatores sequer viram ou ouviram alguma que pudesse servir de prova contra os acusados. A ambição está presente nas atitudes do próprio Joaquim Silvério dos Reis ou do Conde de Valadares, que se vendem por dinheiro, esquecendo por completo qualquer amizade. A ousadia fica por conta do herói do poema, Tiradentes, que ousava sair pelos campos ou pelos quartéis pregando a liberdade e falando contra a ambição da Coroa Portuguesa, que estava sempre a exigir mais dinheiro para seus gastos e deleites. Também, não podemos nos esquecer dos inconfidentes e dos heróis anônimos. A loucura está presente de forma teatral na figura da própria rainha, D. Maria I, que se via condenada ao inferno; ou em Bárbara Heliodora que, marcada pela dor do degredo do marido, Alvarenga Peixoto, e pela morte de sua filha Ifigênia, acaba endoidecida e termina por morrer. A corrupção segue suas trilhas entre governadores, magistrados, fiscais, e outros tantos funcionário da Coroa. O amor não fica apenas nos versos dos poetas árcades Tomás Antônio Gonzaga e Cláudio Manuel da Costa ao recordarem em suas liras as pastoras Marília, Nise ou Anarda, mas também na paixão do ouvidor Tomás Antônio Gonzaga por Maria Joaquina, e o sofrimento desta pela partida do noivo. O próprio Arcadismo servirá de tema em vários momentos da presente obra, trazendo de volta as figuras das pastoras, das ovelhinhas, dos prados amenos, dos regatos mansos e da vida bucólica que se oporá, dentro do poema, ao clima de insurreição e violência que passará a dominar a ação narrativa. De maneira geral, o grande tema deste livro é a lição histórica que a Inconfidência empresta aos nossos jovens, de separar os que ficarão gravados para sempre nas páginas da História e da Literatura como heróis e símbolos da liberdade e os deixarão suas pegadas como covardes, ambiciosos e mesquinhos.(fonte:google.com)

ANJO NEGRO - NELSON RODRIGUES 


Se hoje o preconceito racial corre solto, imagine em 1946 quão pior era a situação. Nelson Rodrigues resolveu escrever sobre esse tema problemático e cheio de tabus, mas ele não quis colocar nas prateleiras mais um livro onde o negro é um Zezinho qualquer cheio de malandragem. Não, Nelson quis criar um peça teatral onde o protagonista é o negro rico, bem sucedido e cheio de conflitos pessoais. E conseguiu. É uma pena que tenha sido necessária essa distinção, esse tapa de luva na sociedade para tentar fazê-la enxergar que somos todos iguais. Ainda pior é o fato de que muitos continuam não percebendo como é patético tentar descobrir quem é melhor, negro ou branco, já que não é a melanina da pele que dita quem são os grandes caras que fazem seu nome acontecer no mundo.
Uma das ênfases de "Anjo Negro" é que, Ismael, o protagonista, para conseguir se impor na sociedade acabou pensando e agindo como um branco, repudiando sua própria cor. De fato, o personagem com maior preconceito racial na peça inteira é o próprio negro. Virgínia, a esposa branca de Ismael, tem verdadeiro nojo do marido e demonstra sua raiva assassinando por afogamento todo e qualquer filho que venha a nascer. Ismael sabe disso e nada faz, assim como todos os atos repugnantes que ambos cometem são lúcidos e com as reais intenções; não há espaço para erro sem consciência. Embora vivam em uma casa de muros altos, cada vez mais isolados do mundo, partilham de uma vida turbulenta, onde um inferniza ao outro e qualquer outra pessoa que se aproxime sofre consequências.
Uma dessas pessoas é Elias, irmão de Ismael. Por ser de cor branca, Elias sentiu na pele a inveja de Ismael quando este o cega, ainda pequeno. Quando aparece na casa do casal, Elias traz consigo problemas inacabados e provoca em seu irmão uma insaciável sede de vingança.

Colocando sua extrema habilidade em ação, Nelson Rodrigues criou uma peça teatral complexa, carregada de ambiguidades. É fácil sentir raiva de Ismael e Virgínia, mas aos poucos também é possível entender seus motivos e sentimentos. Ismael age por vezes como um monstro, mas carrega no peito sofrimento e amor. Para vencer a barreira que a sociedade impunha aos negros, torna-se um excelente médico, mas ele próprio duvida de suas capacidades. Personalidade fortes e impactantes, cuja face frágil vai aparecendo no decorrer dos atos.
É um livro de poucas páginas, envolvente, desses para ler numa só sentada


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Macrocefalia Urbana



Macrocefalia urbana é um fenômeno urbano que ocorre principalmente em países subdesenvolvidos. É caracterizada pelo desequilíbrio populacional de uma determinada região que pode ser classificada como cidade, estado ou país onde se tornam dominantes e autoritárias em relação a outras cidades por ser favorecida pela quantidade de habitantes que contém e também pela grande quantidade de indústrias em seu território.
Este fenômeno produz cidades completamente desprovidas de infra-estrutura e planejamento, o que provoca marginalização, submoradia, aumento da violência, criminalidade, desemprego, doenças que são favoráveis à reprodução de outros problemas.
Podemos perceber a macrocefalia urbana presente em países africanos e em cidades como Trípoli (Líbia), Atenas (Grécia), Montevidéu (Uruguai), Santiago (Chile), Buenos Aires (Argentina), São Paulo (Brasil) e tantas outras que apresentam problemas visíveis quanto a atividades econômicas e da população que tendem a ser mais perceptíveis em metrópoles.
Em paises  desenvolvidos a macrocefalia urbana atinge menores proporções por causa do planejamento dos mesmos e por causa do crescimento urbano gradativo que os permite estruturar suas cidades.
A macrocealia urbana é considerada como a maior arma letal contra a qualidade de vida, mas para os políticos em geral é uma forma de conquistar votos e a confiança da população, pois por meio dos problemas que a macrocefalia urbana provoca estes conseguem construir projetos de urbanização e habitação.



URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

As raízes da urbanização brasileira são decorrentes da história, os primeiros centros urbanos surgiram no século XVI, ao longo do litoral em razão da produção do açúcar, nos séculos XVII e XVIII, a descoberta de ouro fez surgir vários núcleos urbanos e no século XIX a produção de café foi importante no processo de urbanização, em 1872 a população urbana era restrita a 6% do total de habitantes. 

Posteriormente, no início de século XX, a indústria foi um instrumento de povoamento, a partir da década de 1930, o país começou a industrializar-se, como o trabalho no campo era duro e a mecanização já provocava perda de postos de trabalho, grande parte dos trabalhadores rurais foram atraídos para as cidades com intuito de trabalhar no mercado industrial que crescia. Esse êxodo rural elevou de forma significativa o número de pessoas nos centros urbanos. Atualmente 80% da população brasileira vive nas cidades, apesar disso o Brasil é um país urbano, industrial e agrícola.


Ao longo das décadas a população brasileira cresceu de forma significativa, ao passo desse crescimento as cidades também tiveram sua aceleração em relação ao tamanho, formando imensas malhas urbanas, ligando uma cidade a outra e criando as regiões metropolitanas (agrupamento de duas ou mais cidades).

O crescimento desenfreado dos centros urbanos provoca conseqüências, como o trabalho informal e o desemprego decorrente de sucessivas crises econômicas. Outro problema muito grave provocado pela urbanização sem planejamento é a marginalização dos excluídos que habitam áreas sem infra-estrutura (saneamento, água tratada, pavimentação, iluminação, policiamento, escolas e etc.) e junto a isso a criminalidade (tráfico de drogas, prostituição, seqüestros etc.). 

A falta de um plano diretor não só demanda problemas sociais como também provoca alterações ambientais, um exemplo dessa realidade é a poluição do lixo, milhões de pessoas consomem e produzem os mais diversos detritos que diariamente são depositados em lixões a céu aberto sem receber nenhum tratamento, esse lixo transmite doenças, polui o lençol freático.
Outra poluição presente nas cidades é a atmosférica, proveniente da emissão de gases de automóveis e indústrias, esses gases provocam problemas de saúde, principalmente respiratórios e, por fim, a poluição das águas, pois os dejetos das residências e indústrias são lançados sem tratamento nos córregos e rios, no período chuvoso ocorrem as cheias que dispersam a poluição por toda a área. 

Em suma, percebe-se que a maioria dos problemas urbanos é primeiramente de responsabilidade do poder público que muitas vezes são omissos em relação a essas questões, em outros momentos podemos apontar a própria população como geradora de problemas, como o lixo que é lançado em áreas impróprias. Na verdade, a tarefa de fazer com que a cidade seja um lugar bom pra se viver é de todos os que nela habitam. 


terça-feira, 16 de setembro de 2014

Perda irreparável para Rondônia

EMMANOEL GOMES DA SILVA , PROFESSOR, HISTORIADOR E MEMBRO DA ACADEMIA VILHENENSE DE LETRAS,autor da coluna História de Rondônia 2 neste blog morreu na data de hoje deixando inúmeras dúvidas quanto a sua partida.Segundo a Folha de Vilhena foi encontrado morto em uma fazenda conforme matéria abaixo..


Urgente: Professor e historiador vilhenense é encontrado morto em fazenda

ALAN SOUZA 16 DE SETEMBRO DE 2014 3
Notícia acaba de ser confirmada e deixa parte da população vilhenense entristecida 
porte-arma-09-10-2011+006
Na foto interpretando um de seus poemos em momento de lazer com os amigos.
O professor e historiador Emmanuel Gomes foi encontrado sem vida em uma fazenda que pertence a amigos entre as cidades de Vilhena e Pimenta Bueno, de acordo com as primeiras informações, ele teria cometido suicídio, porém, ainda não foi realizada a perícia para que possa ser confirmada a causada da morte.
De acordo com amigos, Emmanuel estaria passando por problemas pessoais e estaria nessa fazenda para descansar, tanto que não compareceu ao trabalho na última segunda-feira, 15.
Emanuel além de professor, também era historiador e escritor, sendo autor dos livros: “A terra que se fez eldorado para todos os filhos”, “Porto Velho, a cidade erguida nos trilhos da esperança”, “Rondônia para concursos e vestibulares” e “  Um novo olhar sobre a história regional de Rondônia”.
Ele também estava envolvido com diversos movimentos artísticos na cidade de Vilhena, onde por diversas vezes recitou poesias em eventos artísticos.
Nossos sentimentos aos familiares...Foi-se o grande poeta,mas sua obra permanecerá para sempre na História de Rondônia. 

Fonte:http://www.folhadevilhena.com.br/urgente-professor-e-historiador-vilhenense-e-encontrado-morto-em-fazenda/ 

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Sesc Amazônia das Artes – Um show de talentos regionais em Porto Velho




Bado e Bando - No Quintal (RO)
A arte em um sentido amplo apresenta-se através de diversas formas como, a plástica, música, escultura, cinema, teatro, dança, arquitetura entre outras. O Sesc Rondônia vem apresentando na última semana um circuito de shows envolvendo música,dança,teatro em seus mais variados estilos que não fica nada a dever aos grandes espetáculos dos grandes centros do país,porém a falta de valorização da população local e da mídia em eventos como este é marcante e chama a atenção do pequeno grupo que frequenta esse tipo de evento e, a pergunta que não quer calar é: Por que não há divulgação suficiente para que o povo frequente,tendo em vista tratar-se de grandes espetáculos em horários acessíveis e de forma gratuita? 


Grupo Afrôs (MA)
O SESC é um caldeirão de cultura fervilhante e, o que se percebe são muitas pessoas dizendo que aqui não há eventos culturais, mas quando há, a chamada “elite” da cultura não se predispõe a prestigiar e nem a divulgar talentos que passam por aqui.Ou será que “cultura” em Porto Velho é somente “Flor-do-Maracujá”,”Expovel” e “carnaval fora de época” ? A arte não se restringe somente a isso,pois além de ser representada pelas formas mais populares,elas representam diferentes culturas e, é preciso que esse conhecimento chegue ao povo.Podemos citar por exemplo a participação do Grupo Inoromô do Maranhão que contou com a plateia da Escola João Bento trazendo uma energia contagiante num espetáculo indescritível e,que pelo entusiasmo da plateia se percebe como o desconhecimento faz com que não participem frequentemente desses eventos,porém observa-se que uma semente foi plantada e que muitos dos que ali estavam participarão mais ativamente dos próximos eventos.


Outro que fez um show foi o show arrebatador foi  Bado e Bando na abertura do evento dia 20/05. Além de ser um dos grandes talentos da terra o mesmo trouxe um show “No Quintal” de primeiríssima qualidade seguido no Domingo pelo Grupo Imbaúba do Amazonas com o Show “Vivo na Floresta”coordenado por Celdo Braga – exímio poeta da Amazônia.A região norte em suas nuances vem participando e mostrando as peculiaridades de sua região de forma fascinante, seja através do teatro,da dança ou da música.

Grupo Imbaúba (AM)


Participantes do Pará (Aldeotas – Lugar de Meórias),Mato Grosso (Tenho Flores nos Pés),do Amapá (O Curupira:um ser inesquecível) ,do Pará (A Onda Encantada), do Piauí (Luando),do Acre (As mulheres de Molière  e Origens) ,de Roraima (Carimbó Electro Seco) e de Tocantis (TO) ,se apresentaram e ainda se apresentarão no decorrer da semana fazendo todo circuito na região norte.O objetivo do SESC é “ difundir a arte que é produzida nesses Estados,arte que sugere reflexões não só sobre sua regionalidade, mas que expandem para o universal,tornando,então, possível o diálogo,troca de conhecimento sobre a arte produzida na Amazônia”.

A partir do dia 22/05 o SESC RONDÔNIA ainda apresentará a Mostra de Documentários no Audicine às 19:00h e entre eles um grande destaque aqui do Estado de Rondônia - BIZARRUS com a direção da grande jornalista Simone Norberto.

Os portovelhenses ainda podem conferir os espetáculos no decorrer desta semana  que ainda prometem encantar o público prestigiando esses grupos talentosos e ricos culturalmente no Sesc Esplanada a partir das 20:00h até o dia 20/05 e a Mostra de documentários do dia 22 a 24/05.