domingo, 14 de fevereiro de 2010

Redação Discursiva - Entendendo comandos

Muitas pessoas têm solicitado definições para "Questões Discursivas" mas não há uma fórmula certa, pois na produção de questões discursivas é fundamental que a construção se dê atendendo ao conjunto de informações solicitadas no enunciado – o problema – e de acordo com o verbochave – o comando – que define qual é o tipo de resposta que a banca examinadora espera do candidato.
É muito comum nas provas discursivas de História que os candidatos não respeitem as abrangências de cada questão em particular e construam suas respostas desrespeitando àquilo que lhe é requisitado por ela.
Tanto informações limitadas quanto em excesso podem prejudicar o candidato. Assim, o vestibulando deve fornecer a maior quantidade de informação possível dentro do limite imposto pela questão.
Veja algumas dicas:

�� NUNCA ESCREVA UMA DISCURSIVA EM TÓPICOS; FAÇA TEXTOS CORRIDOS COMO NUMA DISSERTAÇÃO;
�� NÃO ABREVIE OU UTILIZE GÍRIAS E VÍCIOS LINGÜÍSTICOS, COMO PRA, VC, POR EXEMPLO;
�� DÊ PREFERÊNCIA POR ESCREVER COM LETRA CURSIVA; QUANTO MAIS LEGÍVEL E LIMPO FOR SEU TEXTO MAIS PONTOS VOCÊ GANHA JUNTO À BANCA;
�� NÃO ESCREVA EM PRIMEIRA PESSOA, DEIXE, QUANDO NECESSÁRIO, SUA OPINIÃO
SUBTENDIDA NO CORPO TEXTUAL;
�� PROCURE ESCREVER COM CLAREZA E COESÃO SUA RESPOSTA, ERROS GRAMÁTICAIS DESCONTAM PONTOS VALIOSOS DE SUA PROVA;
�� DÊ O MAIOR NÚMERO DE INFORMAÇÕES POSSÍVEIS, MAS MUITO CUIDADO, RESPEITE OS LIMITES IMPOSTOS PELA QUESTÃO E SEMPRE PRIORIZE AS INFORMAÇÕES MAIS FUNDAMENTAIS E IMPORTANTES;
�� E NÃO SE ESQUEÇA: SÓ A PRÁTICA LEVA A PERFEIÇÃO! ESCREVER DIARIMENTE É DE SUMA IMPORTÂNCIA PARA QUEM PRESTA DISCURSIVA NA ÁREA DE HUMANAS.

Exemplo:

Tema: Explique qual era a formulação cultural que mantinha o trabalho servil tão estável na
Idade Média.

CONSTRUÇÃO DA RESPOSTA: para construirmos a resposta o primeiro passo é grifar o comando da questão. Após identifica-lo temos de perceber que problema a questão nos pede para resolver. Isso é um trabalho ora simples, ora complicado. Neste exemplo, o problema não está nítido, mas, interpretando o texto, com o auxílio de seus conhecimentos históricos, é possível verificar que o problema é resolver por que razão cultural os servos não se revoltaram contra o trabalho servil imposto pelos senhores feudais na Idade Média? Percebam que a questão define que recorte temático o candidato terá de enfocar dentro da matéria estudada. Assim não cabe ao vestibulando falar sobre qualquer coisa referente à Idade Média, fugir ao recorte temático, ao problema, mesmo dando informações a mais, é prejudicial ao aluno. Este deve demonstrar o maior conhecimento possível dentro das limitações impostas pela questão. Quando já sabemos qual é o comando e qual é o recorte, podemos iniciar a montagem da questão. O verbo explicar exige um aprofundamento muito grande e detalhado do recorte temático e, não é possível explicar algo sem explicar as origens. Assim, sempre que o comando for explicar a questão deverá seguir o seguinte molde:
�� 1° Período – APRESENTAR O CONTEXTO HISTÓRICO;
�� 2° Período – RESOLVER e/ou DISCUTIR O PROBLEMA QUE A QUESTÃO IMPÕE;
�� 3° Período – CONCLUIR APRESENTANDO AS CONSEQÜÊNCIAS E REPERCUSSÕES.

Atentar para os comandos é essencial para produzir um bom texto.Observe:

A competência para resolver questões discursivas exige do aluno a habilidade para tomar decisões diante das situações-problema propostas. A tomada de decisão refere-se ao julgamento ou interpretação, a partir de um conjunto de indicadores ou fatores presentes em uma determinada situação que implicam uma decisão (resolução da situação-problema).

Para analisar as competências, é possível identificá-las por meio da ação proposta, expressa por verbos, tais como: caracterizar, descrever, destacar, identificar, reconhecer, selecionar, situar e muitos outros. Ler o tema com atenção é essencial,pois alguns pedem para você "caracterizar",outros "analisar", "identificar" e,para isso vc precisa entender esses comandos,portanto atente para o significado de algumas destas ações propostas:

Caracterizar – Segundo o dicionário, caracterizar é “determinar o caráter de; assinalar, distinguir, indicar; descrever, notando as propriedades características; retratar, delinear ou representar um caráter”.

Descrever – Descrever, segundo o dicionário, é “fazer a descrição de; representar por meio de palavras; contar, expor minuciosamente; percorrer; traçar”.

Destacar – Destacar entre outros significados que o dicionário apresenta, é “separar (-se);/articular escandindo;/dar vulto ou relevo a;/por em destaque; fazer sobressair; salientar;/separar-se;/distinguir-se, sobrelevar, sobressair”.
Destacar é uma forma de abstração, ou seja, implica a identificação ou reconhecimento, em dado contexto ou domínio da experiência, dos elementos ou termos (relacionados a uma meta, objetivo ou referência), projetando-os e organizando-os em outro plano. Em um item, o que deve ser destacado no enunciado? Como aproveitar o que foi destacado como indicador ou indicadores para a tomada de decisão sobre a resposta correta?

Identificar – Segundo o dicionário, identificar quer dizer “tornar ou declarar idêntico; considerar duas coisas como idênticas, dando a uma o caráter da outra;/achar, estabelecer a identidade de;/tornar-se idêntico a outrem, assimilando-lhe as idéias e os sentimentos;/conformar-se, ajustar-se”.
É uma competência que implica tomar decisões, interpretar, no conjunto de possibilidades de expressão de uma dada coisa, tudo que emparelha, representa, ilustra, encaixa-se no termo que serve de referência.

Reconhecer – Segundo o dicionário, reconhecer é “conhecer de novo (o que se tinha conhecido noutro tempo);/conhecer a própria imagem, em fotografia ou no espelho;/identificar, distinguir por qualquer circunstância, modalidade ou faceta;/admitir, ter como bom, legítimo ou verdadeiro;/ficar convencido de; estar certo ou consciente de;/considerar como;/afirmar, declarar, confessar;/considerar como legal;/autenticar, endossar;/aceitar, dar gratificação ou recompensa a;mostrar-se agradecido por;/examinar, explorar; observar;/examinar a forma, o acesso, as condições de (uma posição)”.

Selecionar – Segundo o dicionário, selecionar é “fazer a seleção de; escolher de um número ou grupo, pela aptidão, qualidade ou qualquer outra característica;/encontrar e recuperar informação específica de uma base de dados;/num programa de pintura, definir uma área numa imagem, geralmente para que seja cortada ou receba um efeito especial”.
Tal como o reconhecer é um caso especial do identificar, selecionar é um caso especial do destacar. Ambos implicam um recurso à lógica das classes, no sentido de destacar ou selecionar supõe analisar um aspecto e julgar se pertence ou é pertinente ao que está sendo tomado como critério ou referência, ou seja, como base para a tomada de decisão.

Situar – Segundo o dicionário, situar é “colocar,por (no espaço ou no tempo); assentar, construir, edificar; designar lugar certo a; colocar-se”.

Analisar – Segundo o dicionário, analisar significa: “fazer a análise de ... .” Análise: operação intelectual que consiste em decompor um texto em seus elementos essenciais, para apreender suas relações e dar um esquema de conjunto ou ato de decompor uma mistura para separar seus constituintes.
Muitas provas propõem situações-problema em que analisar é uma tarefa fundamental para tomada de decisão. Essa análise, conforme o caso, se expressa como interpretação, outras vezes como discriminação ou reconhecimento de valores, ou, então como previsão ou proposição de formas de intervenção etc. Trata-se sempre de diferenciar algo em um contexto, integrando-o em outro, pois a análise possibilita a realização de julgamentos, base de inferências ou conclusões sobre o que esta sendo analisado.

Comparar – Segundo o dicionário, comparar consiste em “examinar simultaneamente duas ou mais coisas, para lhes determinar semelhança, diferença ou relação; confrontar;/cotejar;/ter como igual ou como semelhante”.

Relacionar – Segundo o dicionário, relacionar significa “fazer ou fornecer a relação de; arrolar, por em lista;/narrar, expor, descrever, referir;/comparar (coisas diferentes) para deduzir leis ou analogias;/fazer relações, conseguir amizades, travar conhecimento”.
O processo de relacionar exige ordenar, organizar e contextuar dados ou fatos que dê logicidade ao texto.

Contextualizar – Contextualizar ou contextuar significa “incluir ou intercalar em um texto”. Contexto significa o “encadeamento de idéias de um escrito, argumento ou composição”. Encadear significa “ligar com cadeia. Acorrentar, prender;/coordenar (idéias, argumentos etc.); concatenar;/tirar a ação ou o movimento a; cativar, sujeitar;/atrair, ligar por afeto; afeiçoar;/ formar série, ligar-se a outros;/fazer seguir na ordem natural”.
Contextuar corresponde a algo inclusivo, que liga, por exemplo, diferentes palavras e outros indicadores semânticos, compondo um frase, parágrafo ou texto. A proposta da questão é um convite para que leia o enunciado com cuidado, que interprete o que está sendo proposto. Que coordene as idéias, os argumentos apresentados e que interprete a pergunta ou o desafio que o enunciado faz. Além disso, propõe-se que o aluno articule com outras informações de seu conhecimento ou com outro texto e decida sobre o que expressar da melhor forma.

Ordenar – Segundo o dicionário, entre outros significados, ordenar é “colocar(-se), dispor(-se) em ordem; organizar(-se);/dar ordem, determinar, mandar que se faça algo;/resolver, decidir-se a;/aparelhar-se, dispor-se, preparar-se”.
Ordenar supõe tomar decisão de definir a posição de um termo em relação aos demais. Na lógica das relações de ordenação todos os termos estão incluídos e são definidos pelo lugar que ocupam em relação aos outros termos e ao critério que organiza, isto é, dá sentido e direção ao posicionamento definido pela ordenação.

Demonstrar – Demonstrar, como explica o dicionário, é “provar com um raciocínio convincente/descrever e explicar de maneira ordenada e pormenorizada, com auxílio de exemplos, espécimes ou experimentos;/indicar ou mostrar mediante sinais exteriores; manifestar;/dar (-se) a conhecer, revelar (-se).

Interpretar – Segundo o dicionário, interpretar, entre outros significados, é “aclarar, explicar o sentido de;/tirar de (alguma coisa) uma indução ou presságio;/ajuizar da intenção, do sentido de;/reproduzir ou exprimir a intenção ou o pensamento de”
Interpretar é dar sentido à experiência ou a uma situação proposta. Interpretar é avaliar, isto é, atribuir um valor (de sobrevivência biológica, social, cultural, etc.) ao objeto de interpretação. A interpretação apóia-se nos dados das experiências ou nos indicadores da situação proposta, que possibilitam a realização de inferências ou julgamentos que a expressam. Interpretar é, também, uma forma de generalizar, no sentido de sair de algo particular e organizá-la como algo geral ou destacado no contexto. A interpretação tem sempre uma base subjetiva, pois caracteriza uma tomada de decisão ou valor assumido por uma pessoa. Daí a importância de se definir os critérios ou regras para a interpretação, ou seja, de objetivar-se a interpretação.

Propor – Segundo o dicionário, propor é “apresentar para consideração, discussão ou solução;/apresentar ou oferecer para aceitação ou adoção;/expor a exame; submeter à apreciação;/ expor, referir, relatar;/indicar, lembrar, oferecer como alvitre; sugerir;/fazer o propósito de; prometer;/dar como norma ou regra;/fazer propósito; formar intento;/ ter em vista; ter intenção de; destinar-se a, dispor-se a;/ projetar, deliberar, projetar; prometer a si mesmo.”
Propor formas de intervenção é uma competência relacionada à ação de prever ou antecipar. Nesse sentido, a proposição busca a intervenção em uma realidade no sentido de melhorar, aperfeiçoar ou tornar possível a convivência com os fatores, por vezes insuperáveis, que a determinam. Trata-se de uma forma de proposição que decide ou corre riscos em favor de algo que corrige, melhora ou introduz algo importante para a pessoa, sociedade ou cultura.

Fundamentar - Fundamentar, segundo o dicionário, significa “lançar os fundamentos ou alicerces de;/assentar em bases sólidas; estabelecer, firmar;/documentar, justificar com provas ou razões;/ estar fundado, apoiar-se, basear-se”.
As tomadas de decisão no contexto de uma situação-problema exigem fundamentação. Por intermédio dela, podemos justificar nossas decisões, defender as razões que nos levaram a decidir pelo que decidimos. Por que agir dessa forma? Por que escolher essa resposta como contendo a justificativa correta? Como provar que a interpretação que demos do enunciado de um item é a melhor possível?

Adaptado de “Eixos cognitivos do Enem”. Ministério da Educação. INEP.

5 comentários:

  1. Muito Boa Prof. VAleu AS DICAS...

    ResponderExcluir
  2. [b]PROFESSORA MUITO BOM ESSA EXPLICAÇÃO...OBRIGADO.

    ResponderExcluir
  3. valeu professora pelas dicas, vai me ajudar na hora de fazer redação

    ResponderExcluir
  4. OBRIGADA PELA ORIENTAÇAO,ESPERO QUE COM TUA AJUDA E O IMPOSSIVEL DO MEU SENHOR AGINDO SOBRE MIM, CONSIGA ALCANÇAR PATAMARES ONDE JAMAIS IMAGINEI CHEGAR.QUE DEU S ABENÇOE A SUA VIDA

    ResponderExcluir
  5. espero que eu atinja meus respectivos objetivos com a ajuda postadas por voces
    obrigado

    ResponderExcluir