domingo, 12 de julho de 2015

20 Temas que podem cair Enem 2015



1) Intolerância Religiosa
Com o crescimento da diversidade religiosa no Brasil é verificado um crescimento da intolerância religiosa, tendo sido criado até mesmo o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21 de janeiro) por meio da Lei nº 11.635, de 27 de dezembro de 2007, sancionada pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva, o que foi um reconhecimento do próprio Estado da existência do problema.
A Constituição prevê a liberdade de religião e a Igreja e o Estado estão oficialmente separados, sendo o Brasil um Estado laico. A legislação brasileira proíbe qualquer tipo de intolerância religiosa, sendo a prática religiosa geralmente livre no país. Segundo o "Relatório Internacional de Liberdade Religiosa de 2005", elaborado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, a "relação geralmente amigável entre religiões contribui para a liberdade religiosa" no Brasil.

2) Dengue
A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. O seu principal vetor de transmissão é o mosquito Aedes aegypti, que se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais.Recentemente ,mais de 250.000 casos foram constatados na região sudeste e com isso surgiu o aedes transgênico com o objetivo de combater o mosquito transmissor.É um tema que pode cair relacionado à Saúde Pública e o grande surto de dengue que na década de 55 e 73 tinha sido erradicada no Brasil,voltando no final da década de 70, início dos anos 80. Estar informado sobre esse tema é essencial para um candidato. 

3) A quem cabe a responsabilidade sobre a escolha alimentar da população?
“ O índice de obesidade infantil cresce todos os anos e, diante disso, é possível perguntar: o governo deveria criar alguma lei para controlar as propagandas das redes de fast-food? A quem cabe, afinal, a responsabilidade sobre a escolha alimentar da população? Ao governo, à família, à sociedade?
Em 2008, o Ministério da Saúde lançou uma ofensiva para tentar regulamentar a propaganda de alimentos que apresentassem altos teores de açúcar, sal e gordura. Entre as propostas estavam a restrição do horário de veiculação de anúncios desses produtos e a exigência de divulgação de mensagens de alerta sobre os males desses ingredientes como: "O consumo excessivo de gordura aumenta o risco de desenvolver diabetes e doença do coração'. O ministério alegava tratar-se de um problema de saúde pública, uma vez que as crianças são o alvo principal da propaganda desses produtos. Porém, como não foi criada nenhuma lei específica até o momento, os projetos não entraram em vigor.Portanto, entender as causas e consequências da obesidade,comparar com outros países os números de pesquisas recentes é um bom caminho para entender o tema.”

4) Por que causas o jovem tem se mobilizado atualmente no Brasil?
Hoje, devido à facilidade de se comunicar através das redes sociais, jovens do país inteiro e do mundo têm deflagrado uma troca de ideias que resultam em manifestações politizadas a favor do bem comum e coletivo.Mas até que ponto esse jovem é politizado? Percebeu-se nas manifestações ocorridas que havia jovens que sequer sabiam o porquê de estarem nas ruas.Como disse Sidnei Oliveira em seu blog “ É inevitável comparar as manifestações de hoje com as de outras gerações, onde foram estabelecidos marcos importantes na história recente do Brasil. Nessa comparação, observamos claramente que algo está muito diferente, principalmente com relação à “causa” que caracteriza o movimento. Fazendo uma retrospectiva, observo que os jovens se mobilizaram em períodos de cerca de quinze anos. Sempre com diversas reivindicações, mas com uma causa principal por vez. Os jovens Baby Boomers, nas décadas de 1960 e 1970, marcharam contra a Ditadura, Anistia, Fim da censura. Todos esses “gritos” foram pela mudança política. Os jovens da geração X pegaram o embalo e lutaram pelas eleições diretas em 1983, e tiveram sucesso somente com a nova constituição, em 1988. Resolvido isso, marcharam contra a inflação, e essa luta só teve resultado satisfatório depois do impeachment de um presidente, conquistado com a manifestação dos caras-pintadas, em 1992. Movimentos com causas estruturadas, nesses casos, a reconstrução das instituições do Brasil.
Já nas manifestações atuais, vejo algumas diferenças interessantes. Primeiramente, chamou a minha atenção que alguns cartazes continham a frase “Saí do Facebook”. Isso tem um significado singular, pois parece que os jovens estavam em outro lugar enquanto tudo de errado estava acontecendo.” Ou seja,até que ponto nossos jovens do séc.XXI querem mudanças de verdades se as atitudes em sua maioria são apenas nas Redes Sociais?

5) O Brasil e o conflito: defesa do meio ambiente X desenvolvimento econômico
“As mudanças climáticas tornaram-se o bicho papão da atualidade. O cinema, por exemplo, já explorou os chamados temas apocalípticos em filmes como "O dia depois de amanhã", que trata do aquecimento global. Preocupados com as previsões catastróficas sobre o futuro do planeta, muitos governos têm se envolvido em acordos internacionais, como o Protocolo de Kyoto, que influenciam nos rumos da economia e nas políticas públicas. O problema é que o IPCC, principal órgão mundial responsável pela avaliação (e divulgação) das pesquisas sobre o tema, teve sua credibilidade abalada por denúncias de manipulação de dados e de erros (o principal diz respeito ao derretimento das geleiras do Himalaia). Se não se tem uma dimensão real do problema, é o caso de se perguntar: o Brasil deve continuar seguindo as orientações desses relatórios climáticos ou deve priorizar o crescimento econômico?”(uoleducação)
Focar nos dados oficiais sobre a Amazônia,desmatamento entre outros é essencial para escrever um texto que tenha por tema questões ambientais e/ou desenvolvimento econômico,pois a sustentabilidade deve ser foco em qualquer cidade e/ou país nos diversos segmentos.

6) O conceito de família pode ou não pode mudar?
O projeto de Lei 6583 de 2013 cria o Estatuto da Família. Nesse texto, família é definida como união entre homem e mulher. A partir disso, muitas discussões têm sido feitas sobre o conceito de família atualmente, com o intuito de refletir sobre famílias formadas por mães ou pais solteiros, avós e tios, casais homossexuais, poligamia etc Escrever sobre esse tema deve-se ter em mente em jamais desrespeitar o direito do outro para não ferir os Direitos humanos e levar ZERO em seu texto.Ter uma opinião formada e defendê-la dentro dos princípios do bom senso é vital para uma boa nota.Nada de sugestões que firam o direito dos outros.

7) Qual é o limite entre o trote e o crime?
“O sentimento dos estudantes que estreiam nestes dias no ensino superior fica dividido: de um lado, a alegria pela nova etapa, depois da vitória no Enem ou vestibular; do outro, o medo dos trotes, que em muitas faculdades chegam aos mais extremos níveis de crueldade e desrespeito. Já passou da hora de os órgãos competentes deixarem de tratar desses casos como meras brincadeiras e aplicarem as devidas penas da lei.(...) No Brasil, a cada semestre vemos episódios de barbárie, de estudantes queimados por ácido, obrigados a engolir substâncias tóxicas ou repulsivas, feridos gravemente e até mesmo correndo risco de morte.
Um dos aspectos abjetos das práticas que tomam essa feição é a humilhação especialmente sádica sobre as mulheres e os estudantes negros. Moças obrigadas a praticar ou simular práticas sexuais, num abuso sórdido da condição feminina, ou negros fantasiados de escravos, amarrados a postes e açoitados, são exemplos de algumas das situações mais revoltantes.(g1.globo.com)”
 Até que ponto isso é certo? O que fazer para evitar os abusos dos trotes nas universidades? Trabalhar com o trote ecológico (coleta de mudas,reflorestamento de determinadas áreas na cidade) e com o trote solidário (doação de sangue,coleta de alimentos não perecíveis para doação,trabalho em alguma instituição carente por um dia e/ou uma semana) seriam caminhos viáveis além do conceito de cidadania trabalhado. Saber discutir esse assunto é de extrema importância ao candidato a Enem.

8) Mobilidade Urbana
O trânsito se tornou uma das maiores dores de cabeça para a população. O acúmulo de veículos nas ruas causa prejuízos, estresse, acidentes e poluição, e tende a piorar nos próximos anos, caso não sejam adotadas políticas mais eficientes.
O problema agravou-se nas últimas décadas graças à concentração de pessoas nas cidades, à falta de planejamento urbano, aos incentivos à indústria automotora e ao maior poder de consumo das famílias. Isso tudo provocou o que os especialistas chamam de crise de mobilidade urbana, que acontece quando o Estado não consegue oferecer condições para que as pessoas se desloquem nas cidades. Discutir esse tema e propor soluções como: Incentivos a transportes alternativos,construção de ciclovias,corredores específicos nos grandes centros,pedágio urbano,melhoria do transporte coletivo,construção de hidrovias em cidades que dispõe de rios cortando a cidade seriam soluções viáveis para a mobilidade urbana nos dias de hoje.

9) Violência Escolar
A violência na escola não é um problema novo, mas tem se agravado com o passar do tempo. Colabora para aumentá-la e difundi-la o próprio avanço da tecnologia e dos meios de comunicação - como a internet e as redes sociais. Publicar brigas entre alunos no YouTube, por exemplo, tornou-se uma prática corriqueira, como não é difícil conferir. Desse modo, é provável que, em maior ou menor escala, todos os estudantes já tenham presenciado ou ouvido falar de um caso do gênero. Como proposta de Intervenção pode-se trabalhar com Investindo na formação de professores, na aproximação com a comunidade e na aprendizagem; ações efetivas e práticas para garantir aos educadores oportunidades de desenvolver seu trabalho a contento e sem ameaças; criação de um ambiente de trabalho que seja prazeroso tanto para quem ensina quanto para quem busca a escola; dar aos pais visões firmes do que a escola representa para o futuro de seus filhos e o sentido de uma escola que seja pautada por valores e formação eficiente e verdadeira contando com a participação da família.

10) Trabalho Escravo no século XXI
Atualmente, o trabalho escravo pode ser identificado de várias formas, entre elas há o aliciamento de pessoas para trabalhos forçados em zonas rurais de difícil acesso, e a imigração de bolivianos para cidades do Brasil, São Paulo principalmente, para o trabalho em confecções.
“Recente notícia publicada em diversos meios de comunicação mostra que a escravidão ainda não é uma mazela superada em pleno século XXI.  Equipes de fiscalização do governo federal flagraram, em São Paulo, estrangeiros submetidos a condições subumanas de trabalho, produzindo peças de roupa da prestigiada marca internacional Zara.
Numa época em que, cada vez mais, fica evidente a necessidade das empresas adotarem uma atuação pautada em valores éticos e socioambientais, uma notícia como essa endossa o que tem defendido acadêmicos e pesquisadores da área de administração. Vários artigos e livros vêm defendendo que para garantir um crescimento sustentado de longo prazo, as organizações precisam inserir em sua estratégia propósitos sociais e também agir de forma coerente com o que suas marcas propagam.(fonte:era.org.br) “
“A primeira alternativa, talvez a mais importante, e cujos resultados serão sentidos a longo prazo, mas de forma essencial, é propiciar a educação de qualidade para a sociedade.

O ensino muda o homem e faz com que ele mude a sociedade. Se o governo investir em educação eficaz para todos, as pessoas irão perceber que têm seus direitos individuais e sociais e também que o governo tem a obrigação de garantir escolas para seus filhos, saúde, transporte, higiene básica... Elas não aceitarão mais serem submetidas a condições degradantes de trabalho; passarão até mesmo a observar mais atentamente às condições “suspeitas” do trabalho que lhes é oferecido.
Se houver investimento em educação adequada, aqueles que não se envolvem diretamente com o trabalho escravo indignar-se-iam com o problema de tal forma que passariam a buscar soluções para acabar com ele. Essas soluções podem variar de ajuda aos explorados e denúncia dos patrões, ou ao boicote na compra do material proveniente das áreas conhecidas por meio de denúncia.
E essa educação não pode ser resumida a cartilhas, ou propagandas televisivas referentes ao tema. Medidas dessa natureza são ineficazes na resolução dos problemas que afetam a população brasileira. Tomemos como exemplo o fato de que, em época de chuva, o governo lança dessas mesmas estratégias para tentar erradicar a dengue. Oferece cartilhas, lança vídeos educativos, e até contrata agentes para que, de casa em casa, peçam para que não  se deixe acumular água parada... Porém, como se percebe, ainda há dengue, e em níveis similares a dos anos anteriores.
Dessa forma, para que as pessoas tenham consciência do tamanho do problema que é o trabalho escravo, é necessário que sejam educadas de acordo com programas honestamente elaborados, que as façam conhecer seus direitos.

A segunda alternativa sugerida é a maior fiscalização das áreas, conhecidas por meio de denúncia, que utilizam o trabalho escravo em suas atividades. Uma pesquisa realizada em 2003, pela Secretaria de Inspeção e Trabalho e pela Comissão Pastoral da Terra, traz uma comparação entre o número de denúncias e o de resgate relativos ao trabalho escravo. Revela que quanto maior a incidência de trabalhos forçados no estado, maior é a diferença entre denúncia e resgate. O estado do Pará, por exemplo, campeão em ocorrências de trabalho forçado, marca 4.556 denúncias e somente 1.774 resgates. Mato Grosso, que está entre os cinco estados brasileiros de maior incidência de trabalho escravo, relaciona 927 denúncias contra 676 resgates. Como se percebe, a margem de diferença entre denúncias e resgates é absurda, e contribui para a manutenção da exploração.
A pesquisa citada demonstra que, em determinados estados, a política de fiscalização voltada ao combate do trabalho escravo deve ser revista. Faz-se necessário que ações sejam desenvolvidas no sentido de garantir a presença permanente de fiscalização nos locais onde há maior incidência de denúncias.

Cabe ressaltar, porém, que o trabalho de fiscalização deve ser acompanhado de aparato policial para garantir sua plena execução, pois se sabe que alguns fiscais são ameaçados ou até mesmo assassinados quando estão no desempenho de suas funções.
A terceira alternativa para a erradicação do trabalho escravo é a promoção de desenvolvimento nas regiões de onde provêm os cativos. Cerca de 40% dos explorados vêm do estado do Maranhão, conforme pesquisa desenvolvida pela Organização Internacional do Trabalho.
Faz-se necessário que sejam implementados programas que resultem na melhoria da condição de vida das pessoas oriundas daquelas áreas. Atualmente, existem programas do Governo Federal, como Fome Zero, Bolsa Escola, Programa para Prevenção e Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil – PETI, dentre outros que deveriam garantir o mínimo necessário para a sobrevivência das famílias mais pobres, mas não atingem ao objetivo.

Se houvesse, porém, integração dos programas federais, com iniciativas de ONG’s, movimentos sociais e com programas estaduais e municipais, já implicaria em desenvolvimento significativo nas regiões, e conseqüente desinteresse dos explorados a saírem de onde vivem para trabalharem em outros locais.
Em suma, é fato que existem pessoas que são submetidas a trabalhos forçados até os dias de hoje no Brasil. Por isso, é necessário que alternativas como maior fiscalização de áreas conhecidas como usurpadoras de trabalho escravo, desenvolvimento das regiões de onde provêm os cativos e educação adequada para a sociedade, sejam utilizadas como ferramentas para a erradicação do trabalho forçado. (fonte: Flávia Pimenta de Medeiros/ http://www.ambito-juridico.com.br/)”

11)Justiça com as próprias mãos
Tema bastante polêmico em 2014 e que pode ser discutido com mais imparcialidade esse ano. O combate à violência através da justiça com as próprias mãos é válido? Definições de justiça, casos de linchamentos, rebeldia com a ordem e segurança públicas são alguns pontos que abordam essa temática.

12) Crise Hídrica


.Segundo Bruno Benevides (Folha SP em 22.03.2025) 748 milhões de pessoas passam sede apesar de outras 2.3 bilhões terem conquistado o acesso à água nos últimos 25 anos. Já a Revista Super Interessante da editora Abril traz um artigo em que diz “ Mas a culpa da crise na maior cidade do Brasil não é só da instabilidade de São Pedro. Ele jamais poderia prever, por exemplo, que a população crescesse tanto. De 4,8 milhões em 1960, o número de habitantes da capital pulou para 11,8 milhões em 2013. Isso só a capital mesmo, sem contar as outras cidades da região metropolitana. A urbanização, que aumenta a poluição dos rios e dificulta o acesso à água potável, também entrou na mistura, junto com todos aqueles outros vilões que a gente já conhece: verticalização, impermeabilização do solo, falta de planejamento, sobrecarga do sistema de abastecimento e coleta. A Sabesp estima que, em São Paulo, 25% da água se perca no caminho entre a distribuidora e as torneiras das casas. Segundo reportagem do Estadão, essa perda pode chegar a 31%”.

Conhecer os dados e as causas da crise é vital para o candidato a Enem,pois como solução para o problema podemos citar na proposta de intervenção   o Racionamento de água,Descontos e punições para quem desperdiçar, Reaproveitamento de água,Redução do desperdício,Mudança de hábitos nas pequenas coisas dentro de casa,Despoluição e proteção dos mananciais,Investimento na instalação de novos sistemas nos grandes centros,Dessanilização,Transposição de rios como a exemplo do Rio São Francisco,Armazenamento de água da chuva,entre outros.lembre-se: Sua proposta de Intervenção precisa ser DETALHADA.


 13) Desigualdade: um desafio ou um efeito colateral irremediável?
Como seria um mundo onde todos têm as mesmas oportunidades de conquistar o que desejam, como educação de qualidade, uma carreira brilhante, viagens pelo mundo, casa própria, entre outros? Onde a preocupação em pagar as contas no final do mês não fosse uma das principais aflições da população? Para alguns, o mundo é assim. Mas para a grande maioria, não. A desigualdade social faz com que o que alguns enxergam como algo do cotidiano, por outros seja visto como algo extraordinário, quase inalcançável. O abismo entre os pobres e os ricos continua existindo e determinando quais são os sonhos possíveis para uns e outros, mas não para todos. Há como diminuir essas diferenças e conquistar um mundo mais justo e igualitário, de um modo geral? Pesquise mais sobre as causas e consequências da desigualdade trazendo um contexto histórico em sua produção de texto.

14) Obsolescência programada
Obsolescência Programada, também chamada de obsolescência planejada, é quando um produto lançado no mercado se torna inutilizável ou obsoleto em um período de tempo relativamente curto de forma proposital, ou seja, quando empresas lançam mercadorias para que sejam rapidamente descartadas e estimulam o consumidor a comprar novamente.

Esse conceito significa a diminuição da vida útil de equipamentos com o intuito de incentivar a compra de novos produtos ou versões atualizadas. Esse tema traz a questão do consumismo exacerbado, resíduos eletrônicos, responsabilidade e consciência social do consumidor. Um documentário sobre esse assunto também pode ser encontrado no Youtube e ajuda no entendimento desse tema,pois falar de consumismo,prática cada vez maior nos dias de hoje têm causado uma série de problemas,tais como endividamento sem necessidade.A consciência é vital a um bom consumidor. Na verdade, a prática da obsolescência programada (proposital curta vida útil) se configura numa maquiavélica estratégia de mercado, tendo em vista que em alguns casos o conserto, propositadamente, é mais caro, o que inevitavelmente faz com que os consumidores não tenham alternativas, a não ser partir para uma nova compra. Isso nada mais é do que uma manipulação das indústrias em prol do ato de consumir. Em outras palavras, é andar na contramão das atitudes sustentáveis, enaltecendo assim um profundo desrespeito das indústrias para com os consumidores, com o planeta e com a natureza. De um modo geral, a ideia consumista provavelmente nunca ira desaparecer. Porém, é possível se evitar com que estas pessoas absorvam essas ideias conscientizando-as de que nem tudo que está no mercado se faz necessário no seu cotidiano.

15) Desigualdade étnica e de gênero
A desigualdade em uma sociedade gira em torno da distribuição diferenciada de recursos de valor às variadas categorias de indivíduos – sendo as de classe, étnica e gênero as três mais importantes.”
 Etnia é a identificação de um grupo como distinto em termos da biologia superficial, recursos, comportamento, cultura ou organização; a estratificação étnica existe quando alguns grupos étnicos conseguem mais recursos de valor em uma sociedade do que outros grupos étnicos.

A estratificação étnica é criada e sustentada pela discriminação que é legitimada pelas crenças preconceituosas. A discriminação e o preconceito são embasados pela ameaça (econômica, política, social) apresentada de forma real ou imaginária por um grupo étnico-alvo e são ainda sustentados pelos ciclos de reforço que giram em torno da identificação étnica, ameaça, preconceito e discriminação.

Gênero é a diferenciação entre homens e mulheres em termos de características culturalmente definidas e status na sociedade. A estratificação de gênero existe quando os homens e as mulheres em uma sociedade recebem efetivamente parcelas desiguais de dinheiro, poder, prestígio e outros recursos.

A estratificação de gênero é sustentada pelos ciclos de socialização, que reforçam mutuamente pela identidade de gênero e por crenças relacionadas ao gênero, que, por sua vez, se tornam a base para discriminação e crenças preconceituosas, frutos da ameaça ressentida pelos homens. “(fonte: http://sociologialimite.blogspot.com.br/2009/03/desigualdades-classe-etnia-e-genero.html)
Trabalhar com esse tema deve-se ter cuidado para não argumentar com ideias preconceituosas que possa ferir os Direitos Humanos,portanto,leia mais sobre o assunto para dissertar com coerência,pois respeito à diversidade é fundamental numa proposta de intervenção.

16) Ativismo em redes sociais
“O potencial relacional das redes sociais digitais tem sido cada vez mais empregado para mobilizações sociais e ações coletivas. Essa utilização guarda relação com o ativismo, na medida em que possibilita aos atores sociais o desempenho de um papel protagonista nessas ações.”( Gabriela da Silva Zago, Jandré Corrêa Batista) Quando você busca apoiar uma causa social, o que faz? Provavelmente uma das primeiras coisas é acessar a internet: fazer uma doação, compartilhar campanhas e experiências, assinar uma petição ou confirmar presença em algum protesto. Esses são alguns dos exemplos de como a rede vem ampliando o ativismo social e político e criando novas formas de atuação e mobilização, compondo o que é chamado de ciberativismo. Qual o papel do jovem nesse ativismo? Eventos são criados para marcar protestos, projetos de leis polêmicos facilmente viram virais e reivindicações têm sido feitas através de abaixo-assinado online. Essa nova forma de participação política e suas causas e consequências na sociedade é um bom tema de pesquisa e escrita.Informe-se!

17) Trangênicos
Os transgênicos, ou organismos geneticamente modificados, são produtos de cruzamentos que jamais aconteceriam na natureza, como, por exemplo, arroz com bactéria. Segundo o Greenpeace “O modelo agrícola baseado na utilização de sementes transgênicas é a trilha de um caminho insustentável. O aumento dramático no uso de agroquímicos decorrentes do plantio de transgênicos é exemplo de prática que coloca em cheque o futuro dos nossos solos e de nossa biodiversidade agrícola.

Diante da crise climática em que vivemos, a preservação da biodiversidade funciona como um seguro, uma garantia de que teremos opções viáveis de produção de alimentos no futuro e estaremos prontos para os efeitos das mudanças climáticas sobre a agricultura”,por outro lado há quem afirme que os transgênicos serão a garantia de alimentação da população futuramente.Sabemos também que as experiências transgênicas não acontecem somente no setor agrícola,a exemplo a produção do aedes transgênicos produzido para combater a dengue. Informar-se mais sobre o assunto para emitir um ponto de vista bem articulado é dever de  um bom candidato a Enem.

18) Gestão de Resíduos Urbanos
Em 2010, foi instituída a Política Nacional de Resíduos Sólidos. A gestão de resíduos ainda é um tema bastante em alta devido à enorme quantidade de lixo produzido anualmente no Brasil. Coleta seletiva e logística reversa são alguns dos termos importantes de serem entendidos. Para conhecer mais sobre a lei e sua importância na sociedade, pode ser consultada a explicação no site do Ministério do Meio Ambiente.Informe-se!

19) Diálogo entre ciência e sociedade
A ciência realiza novas descobertas frequentemente, fato que possibilita melhorias e desenvolvimento de novas tecnologias. Entretanto, muitas vezes a sociedade não entende o método científico e muitas coisas são confrontadas com paradigmas culturais, morais ou religiosos. Para lidar com isso, é necessário haver comunicação entre o meio científico e a população. Informe-se sobre a bioética e as pesquisas recentes envolvendo animais.

20) Crise Energética
“O ano de 2015 não começou com boas notícias para os consumidores. Entrou efetivamente em vigor a bandeira tarifária, que transfere de imediato para as contas de energia os custos com a geração térmica. Mas os aumentos não param por aí. O chamado “realismo tarifário” consiste não só na cobrança de despesas praticamente “em tempo real”. Também entra em cena a compensação para as empresas do setor pelas perdas dos últimos anos. As projeções chegam a ultrapassar a casa dos 60% de elevação só este ano. Mais do que rezar para São Pedro encher os reservatórios, a hora é de rever hábitos, investir em eficiência energética, procurar soluções mais econômicas e até recorrer à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ou, em último caso, à Justiça.”( https://www.ambienteenergia.com.br/)
Portanto,como soluções para esse problema o  candidato deve apresentar propostas como a diversificação das matrizes energéticas no país,explorando as fontes renováveis e o potencial de cada região,mesmo que a longo prazo. Pesquisar essas matrizes,perceber quais seriam mais viáveis ao Brasil é vital para a produção de um bom texto.




Fonte: www.infoenem.com.br/ Uol.com/Terra.com

http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes

Nenhum comentário:

Postar um comentário